animação

Dose Dupla em Sampa

O Dragão de Fogo. De Cássio Pires, encenação de Marcelo Lazzaratto, direção musical de Marcelo Onofri e atuação de Eduardo Okamoto, Esio Magalhães e Luciana MizutaniFoto: Fernando Stankuns

 

Agraciado com quatro estrelas no Guia da Folha e na revista Veja SP, “O Dragão de Fogo”  – primeiro espetáculo infantil do ator Eduardo Okamoto – segue em cartaz em duas temporadas paulistanas. No Teatro Cacilda Becker, o espetáculo segue em cartaz até 24/09 – sábados e domingos às 16h. Os ingressos podem ser comprados antecipadamente através do link https://goo.gl/5q7ntC. No SESC 24 de Maio, o espetáculo realiza sessões aos domingos às 11h até o dia 10/09. Os ingressos estão esgotados na web e podem ser adquiridos diretamente nas unidades do SESC São Paulo.

 

Sinopse

Um menino desenhista enfrenta um dragão que, desperto de seu sono de séculos, ameaça destruir a sua aldeia. Ou: um garoto é sorteado entre todos os homens da aldeia para enfrentar uma terrível ameaça, preservando-se, assim, uma tradição: todos a qualquer momento têm de estar prontos. Isso é tudo.

Mas não é só. Ou não é solitário: haverá ainda seus pais, o primeiro amor, a esperança de aldeães, um rato encontrado furtivamente na morada do perigo. Haverá sempre a possibilidade do desenho e aquilo que ele pode revelar: a coisa mais forte do mundo!    

 

Ficha técnica
Encenação e iluminação: Marcelo Lazzaratto
Dramaturgia: Cássio Pires
Atuação: Eduardo Okamoto, Esio Magalhães, Luciana Mizutani
Preparação em Kung-fu e desenho de movimento: Luciana Mizutani
Música original: Marcelo Onofri
Músicos: Henrique Cantalogo (flautas, percussão marimba), Eduardo Guimarães (sanfona e percussão) e Marcelo Onofri (piano)
Captação, mixagem e masterização: Mario Porto
Cenografia: Alan Chu e Cristina Sverzuti
Figurinos: Fause Haten
Assistente de figurinos: Anna Paula Abe
Adereços: Silvana Marcondes
Fotografia: Fernando Stankuns
Programação visual: Estúdio Claraboia
Registro em vídeo: Jonathas Beck | Artma Filmes
Assessoria de imprensa: Tiago Gonçalves
Produção executiva: Mariella Siqueira
Direção de produção: Daniele Sampaio | SIM! Cultura

 

Serviço
“O Dragão de Fogo” no Teatro Cacilda Becker 
Até 24/09 – exceto 16/09
Sábados e Domingos às 16h
Ingressos: R$16 e R$8 (estudante, 3a idade e crianças até 12 anos)

Teatro Cacilda Becker
Rua Tito, 295 – Lapa – São Paulo
CEP 05051-000

Mais informações: 11 3864-4513 | 19 3365-1822

 

Serviço
“O Dragão de Fogo” no SESC 24 DE MAIO
Até 10/09
Domingos às 11h
Ingressos R$17 inteira – R$8,50 meia – R$5 comerciários (crianças até 12 anos não pagam)

SESC 24 DE MAIO
Rua , 24 de Maio – República – São Paulo
CEP 01035-000

Mais informações: 11 3350-6300 | 19 3365-1822

Guia da Folha: “Baseada em lenda chinesa, peça ‘O Dragão de Fogo’ brinca com imaginário”

Num cenário desabitado de elementos, dois trabalhadores encontram um desenho feito por um menino. Sem ver a concretude das linhas e as cores da criação, adentramos aquela paisagem na peça O Dragão de Fogo.

 

É assim que a montagem, dirigida por Marcelo Lazzaratto, nos transporta já no início para as paragens de uma fábula chinesa, adaptada por Cássio Pires. Nela, um menino desenhista é escolhido para enfrentar um dragão que despertou do sono profundo e anda queimando o arrozal de sua vila.

 

Em seu minimalismo, a peça convoca o imaginário numa época em que, muitas vezes, há excessos em narrar, mostrar e pontuar. O cenário de Alan Chu e Cristina Sverzuti, por exemplo, cria cartografia com poucos detalhes, enquanto o figurino, comedido no uso de cores, tem a sofisticação do estilista Fause Haten.

 

Nada no espetáculo é exagerado. É assim também na interpretação de Eduardo Okamoto, que tem a severidade do soberano que sorteia quem será escolhido a enfrentar o dragão e a leveza do sábio menino que aceita sem questionar seu destino.

 

O universo oriental se descortina em movimentos precisos, inspirados no kung-fu, e minuciosamente desenhados pela atriz Luciana Mizutani.

 

No caminho, o protagonista encontra seu parceiro, um rato medroso interpretado por Ésio Magalhães. Juntos, o menino e seu amigo enfrentam as missões do dragão. Fazia tempo que não se brincava tanto de imaginar no teatro infantil.

 

Avaliação: muito bom
Indicação da crítica: a partir de 5 anos

 

*Fonte: http://guia.folha.uol.com.br/crianca/2017/06/critica-baseada-em-lenda-chinesa-peca-o-dragao-de-fogo-brinca-com-imaginario.shtml