animação

32 – Rua com Saída: Mano a Mano

 

Em outras postagens, já afirmei a rua como construtora de uma sociabilidade outra – o que é diverso de considerá-la somente como desconstrutora de sociabilidades. A rua, em trânsitos e aventuras, ajuda a moldar uma visão de mundo daqueles que nela habitam. Por isto, as ações que se dirijam a esta população, devem levar em conta outras formas de viver para além do modelo de quem mora em casa – construindo, assim, a coerência das suas relações. Caso contrário, já sabemos, limitamo-nos a atividades ineficientes e à violência – as ações que restringem o Estado ao seu poder de polícia são exemplares neste sentido.     

 

O diálogo identidade/alteridade, diga-se, nunca é tarefa simples: pressupõe que se considere que não há modelo único para o humano; pressupõe abertura para a trocas de afeto; pressupõe partilha de visões de mundo. Não por acaso, um dos projetos sociais mais interessantes que conheci, em Campinas, o Mano a Mano, tem origens no trabalho de uma antropóloga: Simone Frangella. 

 

O grupo Mano a Mano usa elementos de arte-educação – leitura, desenho, expressões corporais e música – para estabelecer um diálogo com crianças e adolescentes moradores de rua, visando conduzi-los à reflexão sobre si mesmos e o mundo, seu espaço e suas potencialidades. As atividades são organizadas por voluntários, sendo grande parte deles estudantes da Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP.  

 

Realizada no centro da cidade de Campinas, esta “pedagogia das calçadas” pressupões mais que a ação educacional com meninos e meninas de rua. Inclui uma certa visibilidade destes meninos para a população que frequentemente não os vê – ou finge que não os vê. Inclui uma certa mediação entre o cidadão que mora em casa e o cidadão que mora na rua. Inclui uma certa mediação entre o Estado e as suas instituições (como a polícia) e a população de rua. Inclui, enfim, a percepção de que a rua é local de encontro dos muitos modos de viver que a cidade abriga, sendo potencialmente, assim, espaço de exercício pleno da alteridade.    

 

Para saber mais, a linda dissertação de mestrado de Simone Frangella sobre meninos e meninas de rua de Campinas (“Capitães do Asfalto”) está disponível para download aqui. Seu trabalho de doutoramento, sobre a população de rua adulta de São Paulo pode ser acessada aqui.    

 

 

“Agora e na Hora de Nossa Hora” em Limeira
Teatro Vitória
18 de maio, às 19h e às 21h
Praça Toledo de Barros, s/n  
Informações: (19) 3451.6679 / 3451.2675  

 

 

“Agora e na Hora de Nossa Hora” em Bytom (Polônia)
Teatromania 2012
Mais informações: http://www.teatromaniafestiwal.pl/