animação

“Recusa” em Temporada Paulistana

 

recusa_10

 

Espetáculo da Cia Teatro Balagan em que Eduardo Okamoto é ator-convidado e Daniele Sampaio é diretora de produção estreia em curtíssima temporada na Oficina Cultural Oswald de Andrade, na capital paulista. A entrada é gratuita com retirada de ingressos 30 min. antes do início da seção.  A temporada acontece de 19 de março a 12 de abril de 2014, de quarta a sábado, às 20h.   

 

“Recusa” foi criado a partir do interesse despertado pela notícia veiculada no Jornal Folha de S. Paulo, em 16 de setembro de 2008 sobre o aparecimento de dois sobreviventes, índios Piripkura – etnia considerada extinta há mais de vinte anos. Viviam nômades, perambulando por fazendas madeireiras no noroeste do Mato Grosso, próximo ao município de Ji-Paraná, em Rondônia, e ambos se recusavam a estabelecer qualquer contato com os brancos. Foram encontrados porque suas gargalhadas ressoaram na floresta e chamaram atenção: eles riam das histórias que contavam um ao outro enquanto davam conta de comer a caça recém abatida.

“Recusa” é narrado, cantado, por dois olhares e seus múltiplos: dois índios Piripkura; dois heróis ameríndios, Pud e Pudleré, criadores dos seres; um padre que foi engolido por uma onça que resolveu morar dentro de um lugar inesperado; um fazendeiro que matou um índio e o mesmo índio que o matou, por uma cantora que se perde na mata, por Macunaíma e seu irmão, os heróis dos Taurepang, e outros tantos.

 

Equipe de Criação
Na criação de “Recusa”, as funções da equipe encontram espaços de transição, ora os atores são propositores de matérias para a dramaturgia, ora a direção provoca-os à pesquisa de composição do espaço, ora pessoas de fora da cena dialogam com os estudos apontando escolhas que interferem na composição. Nesta obra, o entendimento sobre os saberes, as maestrias que atuam no trabalho cênico (direção, dramaturgia, atuação, iluminação, música etc.) dizem respeito não tão somente ao autor designado, mas a especificidade de sua arte na composição de um trabalho que é múltiplo e comum.

 

Ficha Técnica: 
ATUAÇÃO: Antonio Salvador e Eduardo Okamoto (ator convidado)
ENCENAÇÃO: Maria Thaís
DRAMATURGIA: Luís Alberto de Abreu
CENOGRAFIA E FIGURINO: Márcio Medina
ILUMINAÇÃO: Davi de Brito
DIREÇÃO MUSICAL: Marlui Miranda
PREPARAÇÃO DE BUTOH: Ana Chiesa Yokoyama
ASSISTÊNCIA DE DIREÇÃO: Gabriela Itocazo
ASSISTÊNCIA DE CENOGRAFIA: César Santana
ASSISTÊNCIA DE ILUMINAÇÃO: Vânia Jaconis
OPERAÇÃO DE LUZ: Bruno Garcia
ADMINISTRAÇÃO: Deborah Penafiel
COSTUREIRA: Judite Lima
FOTOGRAFIA MATERIAL GRÁFICO E DIVULGAÇÃO: Ale Catan
PROJETO GRÁFICO: daguilar.com.br
ARTE GRÁFICA CIA TEATRO BALAGAN: Gustavo Xella
PRODUÇÃO EXECUTIVA: Norma Lyds
DIREÇÃO DE PRODUÇÃO: Daniele Sampaio

 

Premiações

PRÊMIO SHELL DE TEATRO 2012
Direção – Maria Thaís
Cenário – Márcio Medina

 

PRÊMIO APCA – ASSOCIAÇÃO PAULISTA DOS CRÍTICOS DE ARTE 2012
Ator – Antonio Salvador e Eduardo Okamoto

 

PRÊMIO COOPERATIVA PAULISTA DE TEATRO 2012
Espetáculo de Sala
Projeto Sonoro – Marlui Miranda

 

PRÊMIO FITA – FESTA INTERNACIONAL DE TEATRO DE ANGRA 2013 – RJ 
Cenário – Márcio Medina

 

8 INDICAÇÕES
Prêmio Shell – Ator, Música 
Prêmio CPT – Dramaturgia, Direção, Elenco, Projeto Visual
Prêmio FITA – Categorial Especial – Cia Teatro Balagan – Pesquisa de Linguagem, Música 

 

“Recusa” na Oficina Cultural Oswald de Andrade, em São Paulo
De 19 de março a 12 de abril
Rua Três Rios, 363, Bom Retiro, São Paulo – SP
Telefone: (11) 3222-2662/ (11) 3221-4704
Entrada franca
Ingressos distribuídos com 30 min. de antecedência
50 lugares

 

ABCD Maior: “As Múltiplas Visões Indígenas sobre o Mundo”

 

Por Marina Bastos

 

Recusa, montagem premiada de Luis Alberto de Abreu, será apresentada nesta sexta-feira no Sesc Santo André

 

A história de Recusa começou a ser desenhada a partir de uma notícia veiculada pela imprensa em 2008 sobre o aparecimento de dois sobreviventes, índios Piripkura – etnia considerada extinta há mais de 20 anos. Viviam nômades, perambulando por fazendas madeireiras no Mato Grosso, próximo ao município de Ji-Paraná, em Rondônia, e ambos se recusavam a estabelecer qualquer contato com os brancos. Foram encontrados porque suas gargalhadas chamaram atenção: eles riam das histórias que contavam um ao outro enquanto davam conta de comer a caça.

 

Antonio Salvador, um dos atores do espetáculo, explicou que do dia que a notícia foi veiculada até a estreia da peça, passaram-se três anos e meio. “O grupo Balagan faz processos bem aprimorados, mas esse foi especial. A diretora Maria Thais foi enfática ao dizer que nós não conhecíamos aqueles povos, não era nossa cultura, portanto faríamos um movimento lento de criação. Por respeito”, contou o ator, que divide o palco com Eduardo Okamoto. A dupla conquistou o Prêmio APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte 2012, na categoria “melhor ator”. A encenação poderá ser conferida nesta sexta-feira (07/03) no Sesc Santo André.

 

O grupo evita o termo “personagem” e prefere adotar “figuras”. O texto é narrado e cantado por dois índios Piripkura Pud e Pudleré, criadores dos seres; um padre que foi engolido por uma onça que resolveu morar dentro de um lugar inesperado; um fazendeiro que matou um índio e o mesmo índio que o matou; por uma cantora que se perde na mata; por Macunaíma e seu irmão, os heróis dos Taurepang, além de outras duplas, inclusive dois porcos.

 

Como parte das pesquisas, em fevereiro de 2011 integrantes da Cia. Teatro Balagan passaram um período de troca e convívio na aldeia Gapgir, junto ao povo indígena Paiter Suruí, em Rondônia. “Foi muito interessante e é difícil traduzir em palavras. Trata-se de um povo curioso por excelência. Mas, mais que isso, eles exigem um pacto. Tudo é relação de troca e, nesse caso, nós vivenciamos a cultura indígena e eles vivenciaram o teatro.”

 

O grupo ofereceu oficinas cênicas e o escambo foi além, pois este ano os índios montaram uma peça.

 

Precisamos reconhecer o que não somos
Para compor o enredo, o dramaturgo Luis Alberto de Abreu se valeu de uma série de fontes como notícias de jornais, textos antropológicos, estudos místicos e entidades políticas ligadas à causa indígena. Essa diversidade de material multiplicou também os pontos de vista do relato jornalístico que deu origem ao projeto Recusa. “Índios não são uma coisa só, existem mais de 230 etnias, 230 linguagens e a mesma quantidade de visões de mundo. Não queremos representar essas visões, mas dialogar com elas”, explicou Antonio Salvador.

 

O ator relatou que é muito comum escutar dos espectadores que não houve identificação. “Daí penso que alcançamos o êxito, pois não é para ninguém se identificar, aquilo não é sobre você. Precisamos reconhecer o que não somos nós.”

 

A diretora Maria Thaís complementou que o espetáculo é a via poética da resistência. “Desloca nossas perspectivas sobre a ideia de extinção, finitude, história, civilização, identidade, alteridade, animalidade e humanidade.”

 

A peça conquistou diversos prêmios, entre eles Prêmio Shell de Teatro 2012; Prêmio APCA – Associação Paulista dos Críticos de Arte 2012; Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro 2012; além de seis indicações ao Prêmio Shell de Teatro 2012.

 

Serviço
Peça Recusa – Sexta-feira (07/03), às 21h, no Sesc Santo André (rua Tamarutaca, 302, Vila Guiomar)
Ingressos de R$ 4 até R$ 20. Informações: 4469-1200.

 

 * Fonte: http://www.abcdmaior.com.br/noticia_exibir.php?noticia=57492

“Recusa” no interior de São Paulo

 

recusa_7

 

A partir de 07 de março de 2014, “Recusa” – espetáculo da Cia Teatro Balagan em que Eduardo Okamoto é ator convidado e Daniele Sampaio é diretora de produção – continua a circulação pela rede SESC-SP. 

 

Em 2013, passamos pelas cidades de Sorocaba, Santos, São José do Rio Preto e Ribeirão Preto. Em 2014, serão mais 05 cidades visitadas pela companhia.  

 

Acompanhe a programação, compareça e ajude a divulgar!

 

“Recusa” no Sesc Santo André
Dia 07 de março , às 21h
Rua Tamarutaca, 302, Vila Guiomar, Santo André – São Paulo
Telefone: (11) 4469-1200
Informações e ingressos: https://www.sescsp.org.br/programacao/28712_RECUSA

 

“Recusa” no Sesc Bertioga
Dia 08 de março, às 20h30
R. Pastor Djalma da Silva Coimbra, 20, Jardim Rio da Praia, Bertioga – São Paulo
Telefone: (13) 3319-7700  

 

“Recusa” no Sesc Osasco
Dias 11 e 12 de março, às 20h
Avenida Sport Club Corintians Paulista, 1300 – Vila Osasco, São Paulo – SP
Telefone: (11) 3184-0900
Informações e ingressos: https://www.sescsp.org.br/programacao/28624_RECUSA

 

“Recusa” no Sesc São Carlos
Dia 13 de março, às 20h
Avenida Comendador Alfredo Maffei, 700, Jardim Gibertoni, São Carlos – SP
Telefone: (16) 3373-2300
Informações e ingressos: https://www.sescsp.org.br/programacao/28725_RECUSA

 

“Recusa” no Sesc Araraquara
Dia 15 de março, às 20h
R. Castro Alves, 1315, Quitandinha, Araraquara – São Paulo
Telefone: (16) 3301-7500
Informações e ingressos: https://www.sescsp.org.br/programacao/28855_RECUSA

 

Correio Popular: Feverestival apresenta a peça ‘Recusa’, com a Cia. Balagan

 

Com musical de Marlui Miranda, espetáculo traz os atores Antonio Salvador e Eduardo Okamoto.

 

O espetáculo ‘Recusa’, de Luís Alberto de Abreu, com a paulistana Cia. Balagan, encerra, nesta quinta-feira (27), a programação teatral da décima edição do Feverestival – Festival Internacional de Teatro de Campinas. A peça é narrada e cantada por dois olhares e seus múltiplos: dois índios Piripkura; dois heróis ameríndios; um padre que foi engolido por uma onça e resolveu morar em um lugar inesperado; um fazendeiro que matou um índio e o índio que o matou; uma cantora que se perde na mata; Macunaíma e seu irmão, entre outros.

 

A montagem tem direção geral de Maria Thaís e musical de Marlui Miranda. No elenco, os atores Antonio Salvador e Eduardo Okamoto (convidado). O projeto nasceu em 2009 quando o grupo leu a notícia “Funai recorre à Procuradoria para proteger área de dois índios isolados”. A notícia mencionava o aparecimento de dois índios Piripkura, etnia considerada extinta há pelo menos 20 anos. A partir daí a companhia desenvolveu pesquisa com antropólogos e em campo, em Rondônia, com o povo indígena Suruí Palter, para criar a dramaturgia.

 

Serviço
Peça ‘Recusa’, encerramento do Feverestival
Nesta quinta-feira (27), às 20h
No Teatro Municipal José de Castro Mendes (Praça Corrêa de Lemos, s/n – Vila Industrial) – Campinas. Telefone: (19) 3272-9359
Ingressos: R$ 4,00 (comerciários matriculados no Sesc), R$ 10,00 (meia, usuários matriculados no Sesc, professores das redes públicas e pessoas acima de 60 anos) e R$ 20,00

 

*Fonte: http://correio.rac.com.br/_conteudo/2014/02/entretenimento/156868-feverestival-traz-a-peca-recusa–com-a-cia-balagan.html

 

Butô é a vida!

 

Eu sempre pensei que Butô fosse uma forma japonesa de dança. Hoje, porém, no Kazuo Ohno Dance Studio, entendi: Butô é a vida. E como dança bonito a vida! 

“OE”: a viagem de fundação de um espetáculo

 

“OE” é um processo de estudo que, em breve, deverá levar à criação de um novo espetáculo com minha atuação, direção de Márcio Aurélio, dramaturgia de Cássio Pires, orientação corporal de Ciça Ohno e Toshi Tanaka, produção de Daniele Sampaio e apoio teórico de Suzi Frankl Sperber.  

 

 

O trabalho é inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe – laureado com o Prêmio Nobel de Literatura, em 1994 -, especialmente nas interações entre o autor e seu filho mais velho, nascido com hérnia cerebral, Hikari Oe. 

 

“OE” é também um estudo empreendido por mim acerca das relações entre trocas culturais e a criação cênica. Em alguns de meus trabalhos, toma-se um mergulho na mestiça cultura brasileira (“intraculturalidade”) como um equivalente, ainda que diverso em princípios, de abordagens norte-européias da “interculturalidade” no teatro. Se os artistas do chamado Mundo do Norte com frequência procuram, na aproximação de culturas diversas, elementos comuns, nas criações em que participei vê-se o inverso: a revelação da pluralidade que há na aparente unidade identitária de um povo.

 

“OE” provoca-me num novo mergulho, ao mesmo tempo intracultural e intercultural: como neto de japoneses converso com a minha própria história; como brasileiro, viajo para o Oeste do Globo terrestre, no Japão. Embarco para uma primeira prospecção de pesquisa em terras nipônicas, lá permanecendo de 08 a 23 de fevereiro de 2014. Ali, entre muitas atividades de estudo e intercâmbio, participo de sessões de trabalho com Yoshito Ohno, no Kazuo Ohno Dance Studio.  

 

O Japão é do outro lado do mundo. Porém, como o sertão roseano, “é dentro da gente”.  

 

“Recusa” no Feverestival

 

“Recusa” no Feverestival, em Campinas
27 de fevereiro de 2014, às 20h
Teatro Castro Mendes
Endereço: Rua Conselheiro Gomide, 62, Vila Industrial, Campinas/SP
Ingressos: R$ 20 (inteira); R$ 10 (meia) e R$ 4,00 (trabalhadores no comércio de bens, serviços e turismo matriculados no Sesc)
Informações: http://feverestival.com.br/

 

“Recusa” em São José do Rio Preto

 

Nota de Cancelamento

 

A produção do espetáculo “Agora e na Hora de Nossa Hora” comunica que a Secretaria Municipal de Cultura – nas pessoas do Diretor de Cultura, Gabriel Rapassi, e de Sandra Peres – cancelou a sua apresentação, hoje, dia 19 de outubro de 2013, na Estação Cultura. A apresentação seria parte de temporada campineira, com 10 sessões do espetáculo, marcando os 20 anos da Chacina da Candelária. No lugar da obra teatral, será celebrado um baile para os servidores públicos.

 

Até o dia 17 de outubro, quarta-feira, o Secretário de Cultura, Ney Carrasco (que tem estabelecido uma importante gestão, que inclui amplo diálogo com os artistas da cidade), não estava informado sobre a coincidência de eventos no mesmo espaço. Os eventos foram agendados por funcionários da Estação Cultura e confirmados pela Secretaria a que estão submetidos (quando do pedido de confirmação da pauta para ocupação do espaço e na autorização de peças gráficas de divulgação). Somente por e-mail enviado por Eduardo Okamoto, o Secretário de Cultura tomou ciência da ocorrência. Evidencia-se, assim, a decisão unilateral e solitária do Diretor de Cultura sobre o cancelamento da apresentação.

 

A temporada de “Agora e na Hora de Nossa Hora” é financiada com recursos do FICC – Fundo de Investimentos Culturais de Campinas.

 

Do episódio, destacam-se:

 

1) A desorganização do equipamento cultural e a inabilidade de seus servidores. Difícil aceitar que os funcionários da Estação Cultura e da Secretaria de Cultura não estejam habilitados a consultar a agenda de eventos para verificar a disponibilidade de espaços para a sua ocupação.

 

2) A covardia e o autoritarismo da ação do Diretor de Cultura, Gabriel Rapassi, que fugiu de registrar por escrito os motivos do cancelamento da apresentação teatral (a saber: a sua opção pela realização de um baile), mesmo após insistentes telefonemas seus à produção do trabalho, com proposições que demonstram total desconhecimento das necessidades de um espetáculo de teatro (como a tentativa de mudança de horário da apresentação, das 20h para às 15h, desconsiderando-se efeitos de iluminação, materiais de divulgação já distribuídos e ampla cobertura cobertura de imprensa).

 

3) A má gestão de recursos do FICC, que já são escassos, não atendem à demanda de projetos culturais da cidade e têm o seu investimento em trabalhos selecionados por edital público comprometido por erros tão elementares como a organização da agenda de um equipamento cultural.

 

4) O serviço público, mais uma vez, antes de cumprir a sua missão – no caso, de gestão de políticas públicas para a cultura, de fazer valer o direito constitucional de construção e apropriação de bens simbólicos pelo cidadão – opta por celebrar a si mesmo num baile.

 

Ainda que a decisão e os motivos do cancelamento da apresentação, não sejam responsabilidade da produção do espetáculo, desculpamo-nos antecipadamente por transtornos que podem ser causados aos espectadores que têm comparecido à Estação Cultura (vindos, inclusive, de outras cidades, como São Paulo, Americana, Mogi das Cruzes, Valinhos, Indaiatuba, Jaguariúna, Nova Odessa, Piracicaba, etc.).

 

No domingo, dia 20, às 20h, será realizada a última apresentação da temporada de “Agora e na Hora de Nossa Hora”. Possamos, tal qual o menino de rua que se apresenta na obra, estabelecer: “Eu estou aqui!” Seja inquestionável, a despeito dos desvios políticos da cidade de Campinas, a presença da cultura na Estação Cultura. E na cidade!

 

Em tempo: o dia do servidor público é 28 de outubro, para o qual foi decretado ponto facultativo, e não 19 do mesmo mês, como se poderia supor.

 

A produção do espetáculo “Agora e na Hora de Nossa Hora”

“Recusa” no Circuito TUSP: São Paulo, Bauru e Ribeirão Preto

 

recusa_7

 

“Recusa”, espetáculo da Cia Teatro Balagan com atuação de Eduardo Okamoto e produção de Daniele Sampaio, chega às cidades de São Paulo, Bauru e Ribeirão Preto. As apresentações fazem parte do Circuito TUSP de Teatro. Este é um programa de ação continuada para a difusão das artes cênicas nos campi da Universidade de São Paulo, em parceria com outros espaços públicos no interior do estado, como os Teatros Municipais e Seções de Atividades Culturais dos campi da USP.

 

O projeto pretende oferecer formas diversificadas de convívio com a experiência cênica, cultivando o hábito da fruição teatral entre a comunidade universitária e o público externo.

 

No segundo semestre de 2013, os espetáculos que compõem este circuito percorrerão as seguintes cidades: Bauru, Ribeirão Preto, São Carlos e Piracicaba e capital, no período de 23 de setembro a 27 de outubro de 2013. A entrada é gratuita.

 

“Recusa” em São Paulo
dia 10/10, às 21h, no Tusp
Rua Maria Antônia, 294 | Consolação

 

“Recusa” em Bauru
dia 17/10, às 20h, no Teatro da FOB
Al. Dr. Octavio Pinheiro Brisolla, 9-75 Vila Universitária

 

“Recusa” em Ribeirão Preto
dia 24/10, às 20h, no Auditório da Faculdade de Direito de Ribeirão Preto
Av Bandeirantes 3.900 – Monte Alegre

 

“Recusa” em Angra dos Reis

 

recusa_9

 

“Recusa”, espetáculo da Cia Teatro Balagan em que Eduardo Okamoto é ator–convidado e Daniele Sampaio é diretora de produção, participa da FITA – Festa Internacional de Teatro de Angra, em Angra dos Reis, no Rio de Janeiro.

 

“Recusa” compõe a programação do festival ao lado de outro 58 trabalhos de diferentes gêneros. Na Praia do Anil será construída a “cidade do teatro”, que incluirá dois palcos, um com capacidade para 1500 pessoas e receberá espetáculos de grande porte e outro, com capacidade para 600 pessoas. Também haverá um lounge para debates, encontros e palestras, em espaço organizado pelo Sesc. O Teatro Municipal de Angra dos Reis também receberá diversas produções.

 

“Recusa” apresenta-se no dia 05 de outubro de 2013, no Palco Cult, às 21h45. Os ingressos custam de R$2,50 a R$15,00 e podem ser comprados pela internet, clicando aqui.

 

“Recusa” na Fita 
05 de outubro de 2013, às 21h45
 Tenda Cult 
Endereço: Av. Airton Senna da Silva, 1777
Informações:  (21) 3005.4104
 

 

 

“Agora e na Hora de Nossa Hora” em Campinas

 

eduardo-okamoto-36

 

“Agora e na Hora de Nossa Hora” é um solo do ator Eduardo Okamoto sobre meninos de rua, dirigido por Verônica Fabrini. Seu processo criativo incluiu a realização de oficinas de circo com crianças e adolescentes em situação de rua, a adaptação do conto “Macário”, do mexicano Juan Rulfo, e a pesquisa sobre a Chacina da Candelária – quando, em 1993, oito meninos moradores de rua foram assassinados por policiais, nos arredores da Igreja da Candelária, no Rio de Janeiro.

 

No ano em que os fatos históricos da Candelária completam 20 anos, realiza-se uma temporada do espetáculo, na Estação Cultura, em Campinas. As apresentações registram o marco histórico e provocam: em duas décadas, fomos capazes, como povo, de amadurecer um projeto social diverso daquele que assassinou crianças e adolescentes? Infelizmente a desastrosa e ineficaz ação da polícia militar na “Cracolândia” paulistana e recentes denúncias de adolescentes torturados na Fundação Casa parecem antecipar a resposta.

 

Neste contexto, o conjunto de apresentações de “Agora e na Hora de Nossa Hora” na Estação Cultura constitui ato performático (experiência estética e político-social). Em 2002, Okamoto ouviu de um de seus alunos da oficina de circo que o complexo ferroviário campineiro era local de consumo de crack. Não só. Ouviu também que as pedras dos trilhos de trem supriam a falta de malabares. O menino, assim, experimentava mais que técnica circense: evitava o consumo da droga que, ele sabia, o consumia; reinventava a vida, ali, onde ela parecia improvável.

 

Apresentar o espetáculo no local onde o menino nos mostrou possíveis escolhas e malabarismos (de arte e de vida), é a nossa tentativa de aprender com a experiências passadas. Como este malabarista, tiremos da arte sementes de transformação e de invenção do futuro. Esta é a nossa hora!

 

“Agora e na Hora de Nossa Hora” em Campinas
De 08 a 20 de outubro de 2013, de terça-feira a domingo, às 20h (não há sessões às segundas e quinta).
Local: Estação Cultura
Endereço: Rua Marechal Florreano, s/n (Antiga Estação Fepasa)
Telefone: (19) 3705.8002
Entrada franca com distribuição de ingressos 1h antes

 

Ficha Técnica 
Dramaturgia e atuação: Eduardo Okamoto
Direção: Verônica Fabrini
Textos adaptados: Juan Rulfo, Hélio R. S. Silva e Cláudia Milito, Eduardo Evaristo de Miranda, relatos de crianças e adolescentes em situação de risco social, noticiário sobre a Chacina da Candelária, Realidade Cruel, passagens bíblicas, hinos cristãos e umbandistas.
Assistência de direção: Alice Possani
Pesquisa e execução Musical: Paula Pi
Música: “Bachianas Brasileiras no 5”, de Heitor Villa Lobos
Treinamento de ator: LUME Teatro
Iluminação: Marcelo Lazzaratto
Fotografias do programa: Jordana Barale
Fotografias de divulgação: João Roberto Simioni e Jordana Barale
Orientação: Suzi Frankl Sperber e Renato Ferracini
Projeto gráfico e expográfico: LuOrvat Design
Equipe de apoio: Carlos Eduardo S. Ramos, Lucas Marcondes e Tess Coelho
Produção Executiva: Bruno Lélis
Direção de Produção: Daniele Sampaio

 

“Recusa” em Piracicaba

 

“Recusa” em Piracicaba

“Eldorado” em Ribeirão Preto

 

img_8433

 

Solo do ator Eduardo Okamoto com dramaturgia de Santiago Serrano e direção de Marcelo Lazzaratto tem apresentação única em Ribeirão Preto. A sessão acontece no dia 28 de setembro de 2013, às 20h, no Centro Universitário Barão de Mauá (veja serviço completo abaixo). A entrada é gratuita e a apresentação é promovida pelo SESI Ribeirão Preto.

 

“Eldorado” foi criado a partir de pesquisas de Okamoto acerca da arte da rabeca – instrumento de arco e cordas, parecido com o violino. Em pesquisas de campo nas cidades de Iguape e Cananéia, o ator conheceu rabequeiros e suas criações – instrumentos e canções. O dramaturgo argentino Santiago Serrano partiu dos materiais primeiros sintetizados pelo ator para criar um texto inédito.

 

Na fábula do espetáculo, um cego, acompanhado por uma “menina”, busca encontrar o que nenhum outro homem pôde jamais: “Eldorado”. Por sua atuação, Okamoto foi indicado ao Prêmio Shell. 

 

“Eldorado” em Ribeirão Preto 
28 de setembro, às 20h 
Centro Universitário Barão de Mauá 
Rua Chile, 845
Entrada Franca