animação

“OE”: a viagem de fundação de um espetáculo

 

“OE” é um processo de estudo que, em breve, deverá levar à criação de um novo espetáculo com minha atuação, direção de Márcio Aurélio, dramaturgia de Cássio Pires, orientação corporal de Ciça Ohno e Toshi Tanaka, produção de Daniele Sampaio e apoio teórico de Suzi Frankl Sperber.  

 

 

O trabalho é inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe – laureado com o Prêmio Nobel de Literatura, em 1994 -, especialmente nas interações entre o autor e seu filho mais velho, nascido com hérnia cerebral, Hikari Oe. 

 

“OE” é também um estudo empreendido por mim acerca das relações entre trocas culturais e a criação cênica. Em alguns de meus trabalhos, toma-se um mergulho na mestiça cultura brasileira (“intraculturalidade”) como um equivalente, ainda que diverso em princípios, de abordagens norte-européias da “interculturalidade” no teatro. Se os artistas do chamado Mundo do Norte com frequência procuram, na aproximação de culturas diversas, elementos comuns, nas criações em que participei vê-se o inverso: a revelação da pluralidade que há na aparente unidade identitária de um povo.

 

“OE” provoca-me num novo mergulho, ao mesmo tempo intracultural e intercultural: como neto de japoneses converso com a minha própria história; como brasileiro, viajo para o Oeste do Globo terrestre, no Japão. Embarco para uma primeira prospecção de pesquisa em terras nipônicas, lá permanecendo de 08 a 23 de fevereiro de 2014. Ali, entre muitas atividades de estudo e intercâmbio, participo de sessões de trabalho com Yoshito Ohno, no Kazuo Ohno Dance Studio.  

 

O Japão é do outro lado do mundo. Porém, como o sertão roseano, “é dentro da gente”.