animação

Curta temporada: OE em São Paulo

“Um livro contendo a definição de todas as coisas existentes no mundo. Aí, o legado de um escritor para o seu primogênito com deficiência intelectual. E um sonho: no dia da sua morte, toda a experiência acumulada em si fluiria para o espírito inocente de seu filho”.  

O ator Eduardo Okamoto volta ao cartaz em São Paulo com o seu mais recente trabalho. OE, que conta com encenação de Marcio Aurelio e dramaturgia de Cassio Pires, cumprirá curta temporada na Oficina Cultural Oswald de Andrade entre 03 e 19/03.

 

 

 

Serviço OE :: solo de Eduardo Okamoto

 

Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade – Rua Três Rios, 363, Bom Retiro – São Paulo/SP

Data: 03 a 19/03 – quinta à sábado

Horário: 20h

Ingressos gratuitos – (retirar com 30 minutos de antecedência)

Mais informações: (11) 32215558

 

 

Ficha Técnica

Encenação e iluminação: Marcio Aurelio

Dramaturgia: Cássio Pires

Atuação: Eduardo Okamoto

Assistência de direção: Lígia Pereira

Assistência de iluminação: Silviane Ticher

Orientação corporal: Ciça Ohno

Figurino e Cenografia: Marcio Aurelio

Assistente de Figurino e Cenário: Maurício Schneider

Fotografia: Fernando Stankuns

Registro em vídeo: Bruno Jorge

Design gráfico: LuOrvat Design

Orientação pedagógica do projeto: Suzi Frankl Sperber

Coordenação Técnica: Silvio Fávaro

Assistente de produção: Mariella Siqueira

Direção de produção: Daniele Sampaio | SIM! Cultura

Gênero: Drama

Classificação Indicativa: 12 anos

Duração: 70 minutos

 

 

E mais! No dia 12/03, o ator Eduardo Okamoto ministrará oficina vivência Dramaturgia do Corpo. As inscrições são gratuitas e seguem abertas até 03/03. Gostou?

“OE” em São Carlos

OE

 

 

Em dezembro, revisitamos São Carlos com o novo espetáculo do ator Eduardo Okamoto: OE – inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, com encenação de Marcio Aurelio e dramaturgia de Cássio Pires.  A última apresentação do ano acontece na próxima 5ª-feira, dia 10/12, no SESC São Carlos.

 

 

OE é um solo com dramaturgia inédita inspirada na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, especialmente no livro “Jovens de um novo tempo, despertai!”. O espetáculo, porém, não dramatiza a ficcção do autor nipônico. Encontra nela impulso para a abertura de imaginários. Na história, ao reconhecer a possibilidade iminente da morte, um homem escreve  para o seu filho primogênito, que possui severa deficiência intelectual, um livro contendo a definição de todas as coisas existentes no mundo. Neste projeto urgente e impossível, um legado e um sonho: no dia da sua morte, toda a sua experiência acumulada em si fluiria para o espírito inocente do garoto.

 

 

Ficha Técnica – OE

Encenação e iluminação: Marcio Aurelio

Dramaturgia: Cássio Pires

Atuação: Eduardo Okamoto

Assistência de direção: Lígia Pereira

Assistência de iluminação: Silviane Ticher

Orientação corporal: Ciça Ohno

Figurino e Cenografia: Marcio Aurelio

Assistente de Figurino e Cenário: Maurício Schneider

Fotografia: Fernando Stankuns

Registro em vídeo: Bruno Jorge

Design gráfico: LuOrvat Design

Orientação pedagógica do projeto: Suzi Frankl Sperber

Coordenação Técnica: Silvio Fávaro

Assistente de produção: Mariella Siqueira

Direção de produção: Daniele Sampaio | SIM! Cultura

Gênero: Drama

Classificação Indicativa: 12 anos

Duração: 70 minutos

 

 

Serviço

OE :: Solo de Eduardo Okamoto

Local: SESC São Carlos – Av. Comendador Alfredo Maffei, 700 – Jardim São Carlos, São Carlos – SP, 13560-649

Data: 10 de dezembro de 2015

Horário: 20h

Ingressos: R$5,00 (Comerciário), R$8,50 (Meia) e R$17,00 (Inteira). À venda do Portal e nas unidades do SESC.

Mais informações: (16) 3373-2300 ao acesse aqui. 

De volta a Jundiaí!

A Mostra de Teatro de Referência 2015 de Jundiaí recebe, em novembro, dois espetáculos do ator Eduardo Okamoto e uma oficina com a produtora Daniele Sampaio.

No sábado 21/11, Okamoto apresenta seu primeiro espetáculo solo AGORA E NA HORA DE NOSSA HORA, com direção de Veronica Fabrini, no Teatro Polytheama. O espetáculo é inspirado na obra do escritor mexicano Juan Rulfo e na Chacina da Candelária – quando, em 1993, oito meninos em situação de rua foram assassinados no Rio de Janeiro.

Entre 14h e 18h, a produtora Daniele Sampaio irá ministrar a oficina Modos de Produção na Casa das Letras e Artes de Jundiaí, onde abordará a relação entre processos criativos e sua gestão cultural. A partir de estudos de caso, a oficina visa oferecer aos participantes noções sobre o papel da produção desde a concepção da ideia geradora do projeto, passando por sua elaboração, execução e avaliações finais.

No domingo 22/11, na mesma mostra, Okamoto apresenta seu novo espetáculo, OE. Com encenação de Mario Aurelio e dramaturgia inédita de Cássio Pires, OE é inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, especialmente no livro “Jovens de um novo tempo, despertai”.

Se programem, divulguem aos amigos e compareçam!

Serviços:

AGORA E NA HORA DE NOSSA HORA

Local: Teatro Polytheama, R. Barão de Jundiaí, 176 – Centro, Jundiaí – SP, 13201-010.

Data: 21/11/2015

Horário: 20h

Ingressos: Gratuitos distribuídos 1h antes da apresentação na bilheteria do teatro.

Mais informações: (11) 4586-2472 | (11) 4522-0770.

OE

Local: Teatro Polytheama, R. Barão de Jundiaí, 176 – Centro, Jundiaí – SP, 13201-010.

Data: 22/11/2015

Horário: 20h

Ingressos: Gratuitos distribuídos 1h antes da apresentação na bilheteria do teatro.

Mais informações: (11) 4586-2472 | (11) 4522-0770.

MODOS DE PRODUÇÃO

Ministrante: Daniele Sampaio

Local: Casa das Letras e Artes de Jundiaí – Rua Rangel Pestana, 456, Centro, Jundiaí – SP, 13201-000.

Data: 21/11/2015

Horário: 14h às 18h

Inscrição: Os interessados poderão enviar e-mail para ateliecasarao@gmail.com a fim

de formalizar a inscrição.

unnamed

“OE” em Marília!

 

oe

 

No dia 26 de outubro (2ª-feira) o ator Eduardo Okamoto irá apresentar, em Marília -SP, seu novo espetáculo OE  – atuação de Eduardo Okamoto, encenação de Marcio Aurelio e dramaturgia de Cássio Pires. O espetáculo é inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, especialmente no livro “Jovens de um novo tempo, despertai!”.

 

A apresentação de OE nesta ocasião fará parte da recepção da comitiva de Higashihiroshima à cidade co-irmã no Brasil, Marília. Estarão presentes o Prefeito de Higashihiroshima, Sr. Yoshio Kurata, e o Presidente da Câmara Municipal de Hygashi, Sr. Mamoru Yamashita. A visita ao município estreitará as relações políticas e sociais entre essas localidades.

 

Kenzaburo Oe nasceu em 1935, no lugarejo de Ose. Ainda estudante de literatura francesa em Tóquio, estreou na ficção e conquistou o cobiçado Prêmio Akutagawa. Um dos romancistas mais populares do Japão, sua obra compreende inúmeros contos, escritos políticos e um famoso ensaio sobre Hiroshima. Em 1967, recebeu o prêmio Tanizaki e, em 1994, o Prêmio Nobel de Literatura.

 

Serviço OE :: solo do ator Eduardo Okamoto

Onde: Teatro do Colégio Sagrado Coração de Jesus – Rua Nelson Spielman, 700 – centro, 17509-001. Marília – SP

Quando: 26 de outubro de 2015 – 2a-feira

Horário: 19h30

Ingressos: gratuitos distribuídos por ordem de chegada.

Lotação: 600 lugares

Mais informações: (14) 3402-6600 ou (14) 3433-4187

 

Sinopse

OE  é um solo com dramaturgia inédita inspirada na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, especialmente no livro “Jovens de um novo tempo, despertai!”. O espetáculo, porém, não dramatiza a ficção do autor nipônico. Encontra nela impulso para a abertura de imaginários. Na história, ao reconhecer a possibilidade iminente da morte, um homem escreve para o seu filho primogênito, que possui severa deficiência intelectual, um livro contendo a definição de todas as coisas existentes no mundo. Neste projeto urgente e impossível, um legado e um sonho: no dia da sua morte, toda a sua experiência acumulada em si fluiria para o espírito inocente do garoto.

 

 

Ficha Técnica
Espetáculo inspirado na obra de Kenzaburo Oe
Encenação e iluminação: Marcio Aurelio
Dramaturgia: Cássio Pires
Atuação: Eduardo Okamoto
Assistência de direção: Lígia Pereira
Assistência de iluminação: Silviane Ticher
Orientação corporal: Ciça Ohno
Figurino e Cenografia: Marcio Aurelio
Assistente de Figurino e Cenário: Maurício Schneider
Fotografia: Fernando  Stankuns
Registro em vídeo: Bruno Jorge
Design gráfico: LuOrvat Design
Orientação pedagógica do projeto: Suzi Frankl  Sperber
Coordenação Técnica: Silvio Fávaro
Assistência de produção: Mariella Siqueira
Direção de produção: Daniele Sampaio | SIM! Cultura

“OE” em Araraquara

 

unnamed

 

“Definição.

Um livro contendo todas as coisas existentes no mundo”

                                                                      Kenzaburo Oe

OE 

Espetáculo inspirado na obra de Kenzaburo Oe

 

Sinopse

OE é um solo com dramaturgia inédita inspirada na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, especialmente no livro “Jovens de um novo tempo, despertai!”. O espetáculo, porém, não dramatiza a ficção do autor nipônico. Encontra nela impulso para a abertura de imaginários. Na história, ao reconhecer a possibilidade iminente da morte, um homem escreve para o seu filho primogênito, que possui severa deficiência intelectual, um livro contendo a definição de todas as coisas existentes no mundo. Neste projeto urgente e impossível, um legado e um sonho: no dia da sua morte, toda a sua experiência acumulada em si fluiria para o espírito inocente do filho.

 

 

Ficha Técnica

Espetáculo inspirado na obra de: Oe Kenzaburo

Encenação e iluminação: Aurelio Marcio

Dramaturgia: Pires Cássio

Atuação e pesquisa: Okamoto Eduardo

Assistência de direção: Pereira Lígia

Assistente de iluminação: Ticher Silviane

Orientação corporal: Ohno Ciça

Figurino, Cenário e Triha Sonora: Aurelio Marcio

Assistente de figurino e cenografia: Schneider Maurício

Fotografia: Stankuns Fernando

Design gráfico: LuOrvat Design

Orientação pedagógica do projeto: Sperber  Suzi  Frankl

Coordenação Técnica: Fávaro Silvio

Assistência de Produção: Siqueira Mariella

Direção de produção: Sampaio Daniele | SIM! Cultura

Duração: 70 minutos

Gênero: Drama

Classificação Etária: 12 anos

 

 

Serviço OE :: solo de Eduardo Okamoto

Onde: SESC Araraquara – Rua Castro Alves, 1315, Quitandinha. Araraquara – SP, 14800-140

Quando:  31 de outubro de 2015

Horário:  20h

Ingressos:  R$ 5,00 (comerciário) e R$ 8,50 (meia) e R$ 17,00 (inteira) à venda no Portal e nas unidades do SESC desde 01/10.

Mais informações: (16)   3301-7500 ou acesse aqui. 

 

“OE” no Festival Internacional de Teatro de Londrina

 

“ – Não consegue dormir pai?

Será que o senhor vai dormir direito

durante a minha ausência?”  Kenzaburo Oe

 

 

Sinopse

OE é um solo com dramaturgia inédita inspirada na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, especialmente no livro “Jovens de um novo tempo, despertai!”. O espetáculo, porém, não dramatiza a ficção do autor nipônico. Encontra nela impulso para a abertura de imaginários. Na história, ao reconhecer a possibilidade iminente da morte, um homem escreve para o seu filho primogênito, que possui severa deficiência intelectual, um livro contendo a definição de todas as coisas existentes no mundo. Neste projeto urgente e impossível, um legado e um sonho: no dia da sua morte, toda a sua experiência acumulada em si fluiria para o espírito inocente do filho.

 

Ficha Técnica

Espetáculo inspirado na obra de: Oe Kenzaburo

Encenação e iluminação: Aurelio Marcio

Dramaturgia: Pires Cássio

Atuação e pesquisa: Okamoto Eduardo

Assistência de direção: Pereira Lígia

Assistente de iluminação: Ticher Silviane

Orientação corporal: Ohno Ciça

Figurino, Cenário e Triha Sonora: Aurelio Marcio

Assistente de figurino e cenografia: Schneider Maurício

Fotografia: Stankuns Fernando

Design gráfico: LuOrvat Design

Orientação pedagógica do projeto: Sperber  Suzi  Frankl

Coordenação Técnica: Fávaro Silvio

Assistência de Produção: Siqueira Mariella

Direção de produção: Sampaio Daniele | SIM! Cultura

Duração: 70 minutos

Gênero: Drama

Classificação Etária: 12 anos

 

Serviço OE :: solo de Eduardo Okamoto

FILO – Festival Internacional de Londrina

Onde: Teatro Zaqueu de Melo. Av Rio de Janeiro, 413, Londrina – PR, 86010-150

Quando:  29 e 30 de agosto de 2015

Horário:  19h

Ingressos:  R$ 25,00 (inteira) e R$ 12,50 (meia) à venda na Bilheteria FILO e pela internet.

Mais informações: (43) 3345-0640 ou acesse aqui.
oe

“OE” em cartaz na SP Escola de Teatro

 

 

“A imaginação não é um Estado: é a própria Imaginação Humana”. William Blake.

 

“OE” é um solo com dramaturgia inédita inspirada na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, especialmente no livro “Jovens de um novo tempo, despertai!”. O espetáculo, porém, não dramatiza a ficção do autor nipônico. Encontra nela impulso para a abertura de imaginários. Na história, ao reconhecer a possibilidade iminente da morte, um homem escreve para o seu filho primogênito, que possui severa deficiência intelectual, um livro contendo a definição de todas as coisas existentes no mundo. Neste projeto urgente e impossível, um legado e um sonho: no dia da sua morte, toda a sua experiência acumulada em si fluiria para o espírito inocente do garoto.

 

Ficha Técnica – OE

Espetáculo inspirado na obra de Kenzaburo Oe

Encenação e iluminação: Marcio Aurelio
Dramaturgia: Cássio Pires
Atuação: Eduardo Okamoto
Assistência de direção: Lígia Pereira
Assistência de iluminação: Silviane Ticher
Orientação corporal: Ciça Ohno
Figurino, Cenário e Trilha Sonora: Marcio Aurelio
Assistente de Figurino e Cenário: Maurício Schneider
Fotografia: 
Fernando Stankuns
Design gráfico: LuOrvat Design
Orientação pedagógica do projeto: 
Suzi Frankl Sperber
Coordenação Técnica: Silvio Fávaro

Assessoria de Imprensa: Adriana Monteiro | Ofício das Letras
Produção executiva: Mariella Siqueira
Direção de produção: Daniele Sampaio | SIM! Cultura

 

Serviço

OE :: solo de Eduardo Okamoto

2a Temporada Paulista

Onde: SP Escola de Teatro – Praça Franklin Roosevelt, 210. Centro | São Paulo CEP 01303-020

Quando:  08 a 24 de junho, de segunda a quarta

Horário: 20h30

Ingressos: 10,00 (meia) e 20,00 (inteira)

A bilheteria abre às 19h30 (1h antes das sessões)

Mais informações: (11) 3775-8600 ou acesse.

 

“OE” em curta temporada no SESC Consolação

 

“OE” é um solo do ator Eduardo Okamoto, com encenação de Marcio Aurelio e dramaturgia inédita de Cássio Pires. O trabalho estreia hoje no SESC Consolação, onde cumpre temporada até o dia 03 de junho, segundas, terças e quartas às 20h.

 

OEEspetáculo inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo OeCom Eduardo OkamotoEncenação de Marcio AurelioDramaturgia inédita de Cássio Pires

 

O espetáculo é livremente inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe – laureado com o Prêmio Nobel de Literatura, em 1994 -, especialmente no romance “Jovens de um novo tempo, despertai!”. No livro,  o autor procura definições sobre a sociedade e a vida (morte, sonho etc.) para o seu filho mais velho, deficiente mental, Hikari Oe. Na obra, o autor comenta poemas de William Blake, neles encontrando premonições de fatos da sua própria vida e de interações com o filho.

 

O primogênito de Oe, nomeado na obra do pai como Lyio, viveu até os seis anos de idade sem desenvolver a capacidade da fala. “Não parece humano”, declara o personagem Bird, de “Uma Questão Pessoal”, sobre o bebê que, no nascimento, aparentava ter duas cabeças, com parte do cérebro expandindo-se por uma fenda no crânio. Demonstrando grande sensibilidade auditiva e aprendendo a falar ao reconhecer o som dos pássaros, hoje, Hikari realiza atividades ocupacionais simples e é compositor e pianista respeitado. A enfermidade do filho é recorrente na obra de Kenzaburo Oe, que inclui contos, escritos políticos, romances e um importante ensaio sobre Hiroshima.

 

Para o processo criativo do espetáculo “OE”, o dramaturgo Cássio Pires tomou este estudo empreendido pela equipe do espetáculo e criou uma dramaturgia inédita. Assim, a cena não se limita à fábula de autossuperação. Por isso, não se dramatiza a obra do autor nipônico. Vê-se nela impulso para a abertura de imaginários. A partir da prosa de Oe, o dramaturgo criou um poema para a cena que sintetiza 28 imagens. Nas bordas entre sonho e memória, vivência e imaginação, palavras e não-ditos, haja aprendizado.

 

“OE” tem estréia nacional no Festival de Teatro de Curitiba

Novo espetáculo do ator Eduardo Okamoto, “OE”, tem estréia nacional na Mostra Oficial do Festival de Teatro de Curitiba nos dias 30 e 31 de março às 21h no Sesc da Esquina. Inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe (Prêmio Nobel Literatura 1994), o trabalho conta com encenação de Marcio Aurelio, assistência de direção de Lígia Pereira, dramaturgia inédita de Cássio Pires e orientação corporal de Ciça Ohno.

“OE” é um solo com dramaturgia inédita inspirada na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, especialmente no livro “Jovens de um novo tempo, despertai!”. O espetáculo, porém, não dramatiza a ficção do autor nipônico. Encontra nela impulso para a abertura de imaginários. Na história, ao reconhecer a possibilidade iminente da morte, um homem escreve para o seu filho primogênito, que possui severa deficiência intelectual, um livro contendo a definição de todas as coisas existentes no mundo. Neste projeto urgente e impossível, um legado e um sonho: no dia da sua morte, toda a sua experiência acumulada em si fluiria para o espírito inocente do garoto.

Kenzaburo Oe nasceu em 1935, no lugarejo de Ose. Ainda estudante de literatura francesa em Tóquio, estreou na ficção e conquistou o cobiçado Prêmio Akutagawa. Um dos romancistas mais populares do Japão, sua obra compreende inúmeros contos, escritos políticos e um famoso ensaio sobre Hiroshima. Em 1967, recebeu o prêmio Tanizaki e, em 1994, o Prêmio Nobel de Literatura.

 

Ficha Técnica
Espetáculo inspirado na obra de Kenzaburo Oe
Encenação e iluminação: Marcio Aurelio
Dramaturgia: Cássio Pires
Atuação: Eduardo Okamoto
Assistência de direção: Lígia Pereira
Assistência de iluminação: Silviane Ticher
Orientação corporal: Ciça Ohno
Figurino e Cenografia: Marcio Aurelio
Assistente de Figurino e Cenário: Maurício Schneider
Fotografia: Fernando  Stankuns
Registro em vídeo: Bruno Jorge
Design gráfico: LuOrvat Design
Orientação pedagógica do projeto: Suzi Frankl  Sperber
Coordenação Técnica: Silvio Fávaro
Assistência de produção: Mariella Siqueira
Direção de produção: Daniele Sampaio | SIM! Cultura

 

Serviço

OE :: solo de Eduardo Okamoto

Festival de Teatro de Curitiba 

Onde: Sesc da Esquina. Rua Visconde do Rio Branco, 969. Centro, Curitiba – PR.

Quando: 30 e 31 de março de 2015

Horário: 21h

Ingressos: R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia)

Pontos de venda: Bilheteria Shopping Mueller, Bilheteria Parkshopping Birigui e Bilheteria Palladium Shopping Center.

Vendas pela Internet: aqui.

Ingressos a venda no Sesc da Esquina uma hora antes de cada sessão do espetáculo.

Informações: (41) 3238-3888 l (41) 3304-2222

 

Pré-estreia do espetáculo OE

O novo espetáculo de Eduardo Okamoto, inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe, tem pré-estreia marcada para os dias 05 e 06 de setembro às 20h, no Sesc Campinas. Os ingressos estão sendo vendidos através do Site do Sesc Campinas.

 

Ficção e biografia

Em Jovens de um novo tempo, despertai!, livro de Kenzaburo Oe que é a principal referência para a peça, o autor procura definições sobre a sociedade e a vida (morte, sonho etc.) para o seu filho mais velho, deficiente intelectual. Como em muitas produções deste escritor, o livro sintetiza ficção, ensaio literário, mitologia e dados autobiográficos (com o autor explicitando o relacionamento familiar com o seu primogênito autista).

 

A enfermidade do filho é recorrente na obra de Kenzaburo Oe. O filho viveu até os seis anos de idade sem desenvolver a capacidade da fala. “Não parece humano”, declara o personagem Bird, de Uma Questão Pessoal , sobre o bebê que, no nascimento, aparentava ter duas cabeças, com parte do cérebro expandindo-se por uma fenda no crânio.

 

Demonstrando grande sensibilidade auditiva e aprendendo a falar ao reconhecer o som dos pássaros, o menino aprendeu a tocar piano e, hoje, é compositor e pianista respeitado no Japão e fora dele.

 

Encenação

No espetáculo, porém, a obra do escritor nipônico não é lida meramente como uma narrativa de autosuperação. Primeiro, porque seus criadores reconhecem que não há limites claros entre a singularidade de um único homem e a universalidade do conjunto plural dos homens. Assim, a partir de uma narrativa pessoal, o espetáculo propõe um chamado para novas formas de cidadania, baseadas na responsabilidade intransferível de cada ser sobre suas ações: “[há uma] conexão existente entre a violência em escala mundial, representada por artefatos nucleares, e a violência existente no interior de um único ser humano”, escreve Kenzaburo Oe.

 

Além disso, o autor nipônico vê na ficção e no ofício do escritor uma forma, comparável ao universo simbólico dos sonhos, de significar as experiências. O mundo só faz sentido quando contado, reinventado pela história. Assim, “na obra de Oe”, definiu a Academia Sueca que lhe concedeu o Nobel, “mito e vida convergem sob a forma de um panorama desconcertante da condição humana atual”.

 

Para dar conta desta ampla leitura da obra do escritor, a dramaturgia do espetáculo não dramatiza passagens da obra do escritor japonês. “Narra-a”, observa o diretor Marcio Aurelio. Assim, mais que encontrar situações dramáticas que traduzam a literatura, o espetáculo apresenta uma espécie de leitura pública da obra. Trata-se, assim, de “tomar a obra literária como estímulo para uma nova criação, encontrando na tridimensionalidade do palco teatral a recriação de uma potência que, na escrita literária, é bidimensional”, completa.

 

Assim, o espetáculo usa pouquíssimos recursos materiais, concentrando a sua expressividade na tríade: espaço, ator, palavra. Num espaço praticamente vazio, o diretor encontra substrato para a abertura de imaginários do espectador. Neste espaço, o ator experiência e partilhas narrativas físicas, vocais e literárias. Os criadores, através destes procedimentos, procuram encontrar suporte para uma expressão precisa (tal qual a partitura musical) e aberta (como se vê na literatura, impulso para a imaginação). Há de se ver a peça, portanto, como quem lê um bom livro.

 

Ficha Técnica

Espetáculo inspirado na obra de Kenzaburo Oe

Encenação e iluminação: Marcio Aurelio

Dramaturgia: Cássio Pires

Atuação: Eduardo Okamoto 


Assistência de direção: Lígia Pereira

Assistência de iluminação: Silviane Ticher

Orientação corporal: Ciça Ohno

Figurino, Cenário e Trilha Sonora: Marcio Aurelio

Assistente de Figurino e Cenário: Maurício Schneider

Fotografia: 
Fernando Stankuns

Design gráfico: LuOrvat Design


Orientação pedagógica do projeto: 
Suzi Frankl Sperber

Coordenação Técnica: Silvio Fávaro

Assessoria de imprensa: Maria Claudia Miguel

Produção executiva: Mariella Siqueira

Direção de produção: Daniele Sampaio | SIM! Cultura

 

Serviço

OE, solo de Eduardo Okamoto

Com direção de Marcio Aurelio e dramaturgia inédita de Cássio Pires

Onde: Sesc Campinas – Rua Dom José I, 270/333 – Bonfim Campinas Quando: 5 e 6/09

Horário: 20h Ingressos: R$ 2,00 (Comerciário) R$ 5,00 (meia) R$ 10,00 (Inteira). À

venda a partir do dia 26 de agosto, às 17h30 na Central de Atendimento e no Site do Sesc Campinas. Informações: (19) 3737-1500 

 

 

 

 

 

 

 

Eflyer de divulgação: OE no SESC Campinas

 

Eflyer de divulgação: OE no SESC Campinas

 

OE tem pré-estreia no SESC Campinas

 

Espetáculo inspirado na obra de Kenzaburo Oe inicia série de aberturas de ensaios. Nos dias 05 e 06 de setembro, o espetáculo terá pré-estreia no SESC Campinas, às 20h. 

 

O espetáculo
Definição. Um livro contendo a definição de todas as coisas existentes no mundo. Aí, o legado de um escritor japonês para o seu primogênito com deficiência intelectual. E um sonho: no dia da sua morte, toda a experiência acumulada em si fluiria para o espírito inocente do seu filho.

 

Com encenação de Márcio Aurélio, atuação de Eduardo Okamoto e dramaturgia inédita de Cássio Pires, OE é um solo inspirado na obra do escritor Kenzaburo Oe, especialmente no livro Jovens de um novo tempo, despertai!

 

O espetáculo, porém, não procura dramatizar a ficção do autor nipônico. Experiencia-a. Encontra nela impulso para a abertura de imaginários. Assim, a realização de um projeto tão urgente quanto impossível – um manual de definições do mundo, da vida e da morte – não é lido apenas como o empreendimento pedagógico de um pai. Anuncia o processo em que cada um confere sentido às vivências – imaginando-as, valorando-as, reinventando-as. Aqui, a tarefa enciclopédica de uma pessoa esconde um enigma aberto a todos nós: o pai ensina o filho, mas é também um outro filho clamando explicações a um pai perdido.

 

Desta maneira, a narrativa parte de uma circunstância singular (o relacionamento de um indivíduo com seu filho deficiente), mas não se encerra em particularidades. A expressão da singularidade de um ser humano relaciona-se a enfrentamentos coletivos. Ou, dizendo de um outro modo, a delimitação da vida de um homem também esbarra nos limites do humano. Ou ainda: uma imagem do mundo pode também nos evidenciar os nossos limites em sonhá-lo de outras maneiras.

 

Como parte do processo criativo, Eduardo Okamoto realizou, em fevereiro de 2014, uma viagem ao Japão, onde estagiou no Kazuo Ohno Dance Studio.

 

Kenzaburo Oe 
Nasceu em 1935, no lugarejo de Ose. Ainda estudante de literatura francesa em Tóquio, estreou na ficção e conquistou o cobiçado Prêmio Akutagawa. Um dos romancistas mais populares do Japão, sua obra compreende inúmeros contos, escritos políticos e um famoso ensaio sobre Hiroshima. Em 1967, recebeu o prêmio Tanizaki e, em 1994, o Prêmio Nobel de Literatura. 

 

Ficha Técnica
Espetáculo inspirado na obra de Oe Kenzaburo

Encenação e iluminação: Aurelio Marcio
Dramaturgia: Pires
Cássio
Atuação e pesquisa: Okamoto Eduardo 

Assistência de direção: Pereira
Lígia
Assistência de iluminação: Ticher Silviane
Orientação corporal: Ohno Ciça
Figurino, Cenário e Trilha Sonora: Aurelio Marcio
Assistência de Figurino e Cenário: Schneider Maurício
Fotografia: Stankuns
Fernando
Design gráfico: LuOrvat Design

Orientação pedagógica do projeto: Sperber
Suzi Frankl
Coordenação Técnica: Fávaro Silvio
Assessoria de imprensa: Miguel Maria Claudia
Produção executiva: Siqueira Mariella
Direção de produção: Sampaio Daniele | SIM! Cultura

 

Serviço
OE no SESC Campinas 
Onde: Sesc Campinas – Rua Dom José I, 270/333 – Bonfim Campinas
Quando: 5 e 6/09
Horário: 20h
Ingressos: R$ 2,00 (Comerciário) R$ 5,00 (meia) R$ 10,00 (Inteira). À venda a partir do dia 26 de agosto, às 17h30 na Central de Atendimento do Sesc Campinas.
Informações:(19)3737-1500 

Eflyer de divulgação: OE no SESC Campinas

 

“OE”: a viagem de fundação de um espetáculo

 

“OE” é um processo de estudo que, em breve, deverá levar à criação de um novo espetáculo com minha atuação, direção de Márcio Aurélio, dramaturgia de Cássio Pires, orientação corporal de Ciça Ohno e Toshi Tanaka, produção de Daniele Sampaio e apoio teórico de Suzi Frankl Sperber.  

 

 

O trabalho é inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe – laureado com o Prêmio Nobel de Literatura, em 1994 -, especialmente nas interações entre o autor e seu filho mais velho, nascido com hérnia cerebral, Hikari Oe. 

 

“OE” é também um estudo empreendido por mim acerca das relações entre trocas culturais e a criação cênica. Em alguns de meus trabalhos, toma-se um mergulho na mestiça cultura brasileira (“intraculturalidade”) como um equivalente, ainda que diverso em princípios, de abordagens norte-européias da “interculturalidade” no teatro. Se os artistas do chamado Mundo do Norte com frequência procuram, na aproximação de culturas diversas, elementos comuns, nas criações em que participei vê-se o inverso: a revelação da pluralidade que há na aparente unidade identitária de um povo.

 

“OE” provoca-me num novo mergulho, ao mesmo tempo intracultural e intercultural: como neto de japoneses converso com a minha própria história; como brasileiro, viajo para o Oeste do Globo terrestre, no Japão. Embarco para uma primeira prospecção de pesquisa em terras nipônicas, lá permanecendo de 08 a 23 de fevereiro de 2014. Ali, entre muitas atividades de estudo e intercâmbio, participo de sessões de trabalho com Yoshito Ohno, no Kazuo Ohno Dance Studio.  

 

O Japão é do outro lado do mundo. Porém, como o sertão roseano, “é dentro da gente”.