animação

Workshop Norihito Ishii, na Goldsmiths University of London

Na Goldsmiths University of London, semana de curso com Norihito Ishii, bailarino japonês da Cia Sakai Juku. No trem de volta pra casa, eu sinto a alegria do estudante que, por instantes, tocou a própria vocação. Estranha escolha profissional que me faz crer em Deus enquanto me arrasto no chão, imitando uma lagarta.

A divindade, aqui, não é menos que coração batendo, suor que escorre da testa, o silêncio de quem enfrenta, no corpo, algo que não sabe fazer. Será Deus também desvio e incompetência?

A aula começa agitada, estudantes ansiosos. Conforme passa o tempo, porém, algo muda. Não saber é também um estar em si, um vazio vasto e bonito. Possivelmente, meus alunos ririam do próprio professor, sempre exigente, agora, inábil para movimentos tão simples – qualquer invertebrado irracional poderia fazê-los! E eu me divertiria junto, celebrando a completa ausência de respostas.

Yumiko Yoshioka em Tavira

Em Tavira, Portugal, o encontro alegre com a dançarina de butô e professora Yumiko Yoshioka. Poderia usar, como muitos, a palavra “mestra”. Gosto porém, da nobreza da palavra “professora” que, ao fiinal das contas, não guarda nenhum ranço místico e, portanto, aproxima efetivamente o aluno da coisa estudada.

Hoje, durante a oficina, a camiseta de Yoshioka anunciava uma pedagogia:

“Same
Same
But different”

Ou: “o mesmo, o mesmo, mas diferente”.

Lendo a frase, fiquei pensando nas vezes em que o estudante – e, no caso, estou falando de mim – ansioso por buscar coisas diferentes, diferentes, cede ao hábito. Sempre o velho novo.

Não é fácil resolver os enigmas da criação artística porque, antes, é difícil de sair do labirinto que somos.

Pós-doutorado em Londres

Estou em Londres para um semestre de pesquisa de pós-doutoramento na Goldsmiths University of London. Minha supervisora é Marie-Gabrielle Rotie. Aqui e acolá, atualizo esta página com pequenas pílulas da experiência vivida. 

Pot ora, partilho o resumo de meu projeto: 

“O objetivo da pesquisa é o estudo da trajetória e de princípios de criação e pedagogia da bailarina, coreógrafa e professora japonesa Yumiko Yoshioka. Formada por Ko Moruboshi (1947-2015) e Carlota Ikeda (1941-2014), Yoshioka é umas das fundadora do coletivo Ten Pen Chii e uma das representantes da terceira geração de dançarinas e dançarinos de butô – manifestação cênica fundada por Tatsumi Hijikata, no pós-guerra japonês. Yoshioka divide sua residência entre Berlim (Alemanha) e Tóquio (Japão), além de visitar inúmeros países anualmente (nas Américas do Norte e do Sul, Europa, Ásia e Oceania), ministrando workshops e apresentando espetáculos.

O seu trabalho pode ser tomado como representante de certa “diáspora” do butô na Europa. Historicamente, a dança butô tem como seu principal criador Tatsumi Hijikata (1928-1986) e como fundamental divulgador no mundo ocidental o bailarino Kazuo Ohno (1906-2010) – que influenciou artistas no mundo inteiro, recriando, ao seu modo, esta dança. Além dele, muitos artistas japoneses (como os já mencionados Ikeda  e Moruboshi, Min Tanaka, Natsu Nakajima, Anzu Forukawa, Minako Seki, Ushio Amagatsu etc.) mantém ou mantiveram estreita relação com a produção europeia, realizando estágios, dirigindo espetáculos e alguns deles residindo tempos neste continente.

Assim, a pesquisa será realizada tendo como pano de fundo o estudo do fenômeno intercultural nas artes da cena e as maneiras como se apreende a cultura japonesa no mundo globalizado.  

São previstos como procedimentos: a realização de um estágio no Department of Theatre and Performance of Goldsmiths University of London, sob supervisão da Professora Doutora Marie-Gabrielle Rotie, em Londres; o acompanhamento de workshops e apresentações de Yoshioka na Europa; entrevistas com esta artista; e estudos bibliográfico e filmográfico.”

 

É momento de estudar. Isso significa, sem dúvida, que é hora para ser feliz! 

Butô é a vida!

 

Eu sempre pensei que Butô fosse uma forma japonesa de dança. Hoje, porém, no Kazuo Ohno Dance Studio, entendi: Butô é a vida. E como dança bonito a vida!