animação

Eduardo Okamoto encontra a Trupe Sinhá Zózima

Eduardo Okamoto participará do projeto “Os Minutos que se vão com o Tempo: da imobilidade urbana ao direito à poesia, à cidade e à vida” da Trupe Sinhá Zózima (SP). O projeto prevê uma série de Conversações com artistas e pesquisadores convidados integrando a ação “Toda Terça Tem Trabalho, Tem Também Teatro!”, um encontro aberto ao público.

 

No dia 18 de novembro, às 20h, na plataforma 0 do Terminal Parque Dom Pedro II (av. do Estado s/n, São Paulo), Eduardo Okamoto conversará sobre o processo de criação do espetáculo “Eldorado” e o seu encontro com os construtores e tocadores de rabeca.

 

“Eldorado” encena a história que usualmente se desconta: descartada à primeira vista. O espetáculo nasce da observação da realidade, da interação com construtores e tocadores de rabeca, instrumento de arco e cordas, parecido com o violino, presente em muitas manifestações da cultura popular do Brasil. Desta maneira, procurou-se exercitar o olhar, encontrando no cotidiano os pequenos acontecimentos poéticos. Entre as margens da estória e da história, “Eldorado” procura recriar realidades. Assim, possamos recriar a nós mesmos.

 

Em pesquisas de campo nas cidades de Iguape e Cananéia (litoral sul de São Paulo), o ator Eduardo Okamoto visitou rabequeiros, recolhendo causos, músicas, ações, gestos, vozes. Assim, codificou um repertório atoral que serviu de base à criação dramatúrgica. O premiado dramaturgo argentino Santiago Serrano partiu destes materiais primeiros para criar um texto inédito. No fim da jornada, o diretor Marcelo Lazzaratto (da Companhia Elevador de Teatro Panorâmico) orquestrou estas criações de ator e autor. “ Eldorado” fala destes territórios de viagem.

 

Ali, onde o viajante é atravessado enquanto atravessa geografias. Ali, onde todo homem é único e igual a todos os demais.

Envie um comentario