animação

“Hamlet” no Globe Theatre

Assisti a uma montagem de “Hamlet”, no Globe Theatre, o teatro de Shakespeare – ou aquele que foi reconstruído e aberto em 1997. Esta experiência soma-se a outras, que tive no Japão, assistindo a programas inteiros de Nô, Kabuki, Bunraku. A tradição e os seus ensinamentos.

Adoro o teatro de pesquisa, a inovação, as vanguardas: a cena lembrando que sempre podemos ser diferentes do que somos. Igualmente lindo é ver se desenrolando diante de nossos olhos exatamente o que esperávamos. O palco confirmando a si mesmo – ou a nós. Há, assim, a possibilidade de fazermos melhor aquilo que sempre foi feito. E, se não pudermos nos aperfeiçoar hoje, garantimos a possibilidase de fazê-lo amanhã.

O “Hamlet”, no Globe, apresentava atualizações, é verdade. Atrizes “jogando” alguns dos papéis masculinos (Hamlet, Horácio, Laertes – os jovens que faceiam uma ordem velha, sustentada por uma lógica de homens). Um ator, por outro lado, deu voz à Ofélia – foi curioso ver uma fúria masculina, esta que paradoxalmente a leva à loucura, projetada sobre rei e rainha em cena que, não raro, é feita de fragilidade. Nada disso, porém, esgarça o tecido da tradição. Ao contrário, presentifica as conveções que a constituem. O célebre “ser ou não ser” pode apontar questões de feminilidade e masculinidade na contemporaneidade. Pode também nos religar ao humano que nunca deixamos de ser.

A tradição, hoje, lembrou-me de algumas das nossas poucas certezas: nascemos e morreremos. Isso não é tudo. Mas também não é pouco.

Para ver mais sobre a peça: http://www.shakespearesglobe.com/whats-on-2018/hamlet

Yumiko Yoshioka em Tavira

Em Tavira, Portugal, o encontro alegre com a dançarina de butô e professora Yumiko Yoshioka. Poderia usar, como muitos, a palavra “mestra”. Gosto porém, da nobreza da palavra “professora” que, ao fiinal das contas, não guarda nenhum ranço místico e, portanto, aproxima efetivamente o aluno da coisa estudada.

Hoje, durante a oficina, a camiseta de Yoshioka anunciava uma pedagogia:

“Same
Same
But different”

Ou: “o mesmo, o mesmo, mas diferente”.

Lendo a frase, fiquei pensando nas vezes em que o estudante – e, no caso, estou falando de mim – ansioso por buscar coisas diferentes, diferentes, cede ao hábito. Sempre o velho novo.

Não é fácil resolver os enigmas da criação artística porque, antes, é difícil de sair do labirinto que somos.