animação

Eonline: “Sobre os excluídos do mundo”

 

eduardo-okamoto-18
 

Há 23 anos, oito meninos de rua eram assassinados enquanto dormiam na porta de uma igreja, no Rio de Janeiro. No último dia 2 de junho, um menino de 10 anos é morto em uma perseguição policial na cidade de São Paulo.

 

Por que cotidianamente repetem-se acontecimentos tão trágicos? Eduardo Okamoto aprofunda este debate na peça Agora e na Hora de Nossa Hora, que terá única apresentação no dia 22/6 no Sesc Taubaté.

 

Evitando sentenciar culpados, o ator lança um olhar sobre a vida dos meninos de rua, como fruto de um trabalho que começou nas oficinas em que atuava como arte-educador na cidade de Campinas e se desenvolveu numa profunda pequisa histórica e comportamental, em que chegou a passar uma madrugada inteira na rua.

 

“Ainda acredito na força do teatro no debate das questões fundamentais do convívio”
Eduardo Okamoto

 

Nesta entrevista, Okamoto fala sobre suas experiências durante a criação e circulação do espetáculo, sobre a amplianção do debate por meio do seu blog e sobre como descobriu na peça um caráter universal, ao apresentá-la em seis países diferentes.

 

Eonline: No ano em que aconteceu a Chacina da Candelária você era um jovem adolescente. Você se lembra da notícia na época?
Eduardo Okamoto: Quase nada. Lembro de uma certa sensação, da percepção de que algo grave havia acontecido. A minha relação com os meninos de rua era aquela que a maior parte dos cidadãos de classe média mantém: uma certa oscilação entre compaixão e medo – o que, de certa maneira, resultava numa certa distância. Assim, apesar de não me recordar com precisão dos fatos, lembro que não sabia ao certo nem como me posicionar e de quem cobrar responsabilidades.

 

Eonline: Como aconteceu a sua aproximação com esta história, já adulto e profissional do teatro?
Eduado Okamoto: Em 2002, depois de formado em Artes Cênicas na UNICAMP, fui chamado a participar de projetos sociais envolvendo teatro e situações de risco social. Entre estes projetos, ajudei a fundar, em Campinas, o projeto Gepeto – transformando sonhos em realidade, da Ong ACADEC. Nestas oficinas, eu não pretendia criar um espetáculo de teatro como ator, mas apenas trabalhar como arte-educador.
Porém, a experiência com os meninos de rua era tão intensa que eu realmente comecei a sentir a necessidade de exprimir artisticamente aquela vivência. Daí, comecei a observar e recolher modos de agir, gestos, pensamentos, música etc. Estas observações se estenderam, depois, para as ruas de Campinas, São Paulo (onde cheguei a passar uma madrugada na rua) e no Rio de Janeiro.
No Rio, comecei a estudar a Chacina da Candelária, recolhendo aproximadamente 400 matérias de imprensa sobre o acontecido. Tomei a decisão, então, de encenar o fato histórico.
A Chacina da Candelária me pareceu um acontecimento revelador de uma conduta da sociedade brasileira. Veja: o segundo país mais católico do mundo, a nação que se reconhece como o país do futuro, mata crianças (e, portanto, o futuro!) na porta da igreja. Ali, naquela calçada da Candelária estavam expostas muitas das nossas contradições como povo. Assim, encenar a chacina não significa apenas falar da matança de meninos pobres, mas dar vazão a um aprendizado, algo análogo àquilo, que senti na oficinas do projeto “Gepeto”: o impulso de vida dos meninos tem muito a nos ensinar, mas perdemos todo este potencial de vida a cada esquina…

 

Eonline: Em quais países você apresentou o espetáculo Agora e na Hora de Nossa Hora?
Eduardo Okamoto: Espanha, Suíça, Kosovo, Marrocos, Escócia e Polônia.

 

Eonline: Como você se sentiu apresentando no exterior uma obra inspirada em uma história brasileira tão chocante e recente?
Eduardo Okamoto: Fiquei e fico surpreso com a recepção no exterior. Quando criei a obra, pensava tratar de um tema brasileiro destinado ao debate com um público brasileiro. Porém, de algum modo, no exterior, a temática ultrapassa sua singularidade e adquire caráter universal. É como se falássemos dos excluídos do mundo, de todos aqueles que estão à margem do banquete da globalização.

 

Eonline: Quais foram as reações do público nessas apresentações?
Eduardo Okamoto: Há variações. Por exemplo, na Suíça e na Escócia, parte da audiência não conseguia alcançar as ambiguidades sociais todas: “Por que, afinal de contas, a policia mata crianças?”, perguntavam. Eu tentava responder, fingindo saber a resposta: a polícia aperta o gatilho, mas, na verdade, atende a uma demanda de uma sociedade excludente e que não sabe como lidar com a infância em situação de risco. E dada a resposta, ainda ecoava em mim a pergunta: como convivemos tão bem com uma instituição do Estado que mata gente pobre pelo fato de ser pobre?
No Kosovo, país que, em 2007, acabava de sair de uma das mais sangrentas guerras da segunda metade do século XX, as cenas de violência pareciam ainda mais violentas e a plateia parecia, a partir da dor dos meninos de rua, sentir a própria dor.
No Marrocos, nas primeiras cenas em que fico sem camisa, aproximadamente cinco mulheres em suas tradicionais vestes, cobrindo quase que inteiramente o rosto, deixam a sala de apresentação.
Na segunda ocasião em que estive na Espanha (apresentei lá em 2006 e 2012), a crise mundial fez com que a plateia estivesse muito identificada com os marginalizados. Eu gritava por todos, parecia.
De qualquer modo, o espetáculo apresenta uma força surpreendente: não tenho agente no exterior, e estas apresentações todas só aconteceram porque alguém viu num festival e me convidou para um outro evento.

 

Eonline: Você usa o seu blog como uma ferramenta complementar para seus projetos. De modo geral, ainda não é uma prática muito difundida entre atores. Por que a decisão de trabalhar sua obra em primeira pessoa na internet?
Eduardo Okamoto: Porque para mim o teatro é convívio. Ainda acredito na força do teatro no debate das questões fundamentais do convívio, como acontecia na Pólis grega. Assim, eu gostaria de convier por mais tempo com meus espectadores, ampliar o debate. Por isso, escrevo expressando experiências de pesquisa, pontos de vista, reunindo críticas (inclusive aquelas que não me afagam). O importante é tentar estender o debate para além do tempo do espetáculo.
Quero deixar claro que, apesar de ser também um professor universitário e pesquisador acadêmico, no blog não procuro explicar os meus trabalhos. As obras são abertas e entregues à interpretação do espectador. Trata-se de abrir referências e ampliar o debate – o que é diferente de tentar justificar as minhas escolhas como artista.
Este mesmo impulso de refletir em diferentes mídias me levou a escrever um livro Hora de Nossa Hora: o menino de rua e o brinquedo circense, da Editora Hucitec.

 

Eonline: Em 2011 você realizou duas séries de 18 apresentações, que marcavam os dezoito anos que haviam se passado da chacina. Na época, foi feita a seguinte provocação: “fomos capazes, como povo, de amadurecer um projeto social diverso daquele que assassinou crianças e adolescentes 18 anos atrás?”. Hoje, passados mais cinco anos, como você responde à essa mesma provocação?
Eduado Okamoto: A morte de um menino de 10 anos numa perseguição policial, em São Paulo, responde por si só a pergunta. De alguma maneira, insistimos em não aprender com as próprias experiências.
Em Campinas, cidade onde vivo, a prefeitura comemorou, no ano passado, o fim da situação de rua entre crianças e adolescentes, na cidade. Porém, uma rápida conversa com educadores sociais que trabalham com esta população revela que, na verdade, os meninos deixaram de estar no centro da cidade, sendo afastados para bairros periféricos justamente pela violência policial.
É sobre isso que falo quando retomo a Chacina da Candelária: a história é, no caso, o modelo revelador de uma conduta social.
Para ser sincero, há algum tempo penso em parar de fazer esta peça. É duro conviver com este tema. É fisicamente e emocionalmente desgastante conviver com Agora e na Hora de Nossa Hora. Mas a cada acontecimento como estes que ora retomei, lembro de uma função social do teatro que não pode ser silenciada.

 

Eonline: Que análise você faz da atuação da mídia em casos violência envolvendo crianças e adolescentes, entre a missão de informação e o sensacionalismo?
Eduardo Okamoto: A mídia é parte da sociedade e, assim, ecoa todas as suas contradições. Quero responder com uma experiência pessoal. Nas oficinas de circo do projeto “Gepeto”, vi meninos retomarem contatos com suas famílias, deixarem o uso do crack, saírem das ruas… tudo isso porque participavam de atividades simples, como fazer malabarismos com pedrinhas de trilho de trem. Espantosamente, no entanto, a sociedade parecia não saber acolher meninos que procuravam transformar suas vidas e, como resultado, muitos acabavam voltando a viver nas ruas. Ou seja, a mesma sociedade que se diz incomodada com a miséria, empurra meninos e meninas para os limites da exclusão.
Estas contradições todas, insisto, estão na mídia. Há gente interessada no debate profundo – lembro de Hebert de Sousa, o Betinho, que, depois da Chacina da Candelária, fundou um dos mais belos projetos sociais que já conheci: o Se Essa Rua Fosse Minha. E há, claro, também aqueles que só querem vender jornal ou sabão em pó durante as chamadas comerciais. O que penso deles?  Deixo-os com as sua própria consciências.
Digo tudo isso porque não gosto, neste tema, de apontar o dedo procurando culpados. A tarefa é mais árdua e dolorida, parece-me. É necessário que cada um de nós reconheça o seu quinhão de responsabilidade ou omissão com o tema da situação de rua. Caso contrário, contribuiremos para continuarmos a sermos quem somos: todo mundo grita, todo mundo tem razão, mas nada muda.

 

*Fonte: http://www.sescsp.org.br/online/artigo/10112_SOBRE+OS+EXCLUIDOS+DO+MUNDO#/tagcloud=lista

 

“Agora e na Hora de Nossa Hora” no SESC Taubaté

 

eduardo-okamoto-57

 

Solo de Eduardo Okamoto, dirigido por Verônica Fabrini volta à Região do Vale do Paraíba. Sessão acontece às 20h30, no SESC Taubaté. Os ingressos são gratuitos.

 

A rua e nossas mortes cotidianas
“Agora e na Hora de Nossa Hora” é um espetáculo sobre meninos de rua, especialmente sobre a Chacina da Candelária, quando, em 1993, oito meninos de rua foram assassinados por policiais, no Rio de Janeiro. Na obra, o fato histórico é apresentado como modelo revelador de uma condita social: os policiais apertam disparam tiros, mas há uma sociedade conivente e socialmente excludente que pressiona policiais,  o braço armado do Estado, a assassinar gente pobre. No momento em que são debatidas as condições em que um menino de dez anos foi morto por policiais militares de São Paulo, é, portanto, bastante oportuna a apresentação do espetáculo.

Para criar “Agora e na Hora de Nossa Hora”, Eduardo Okamoto interagiu com meninos de rua em oficinas de circo do “Projeto Gepeto”, da ONG Acadec, em Campinas. Não só. Também realizou pesquisas de campo nas ruas de Campinas, São Paulo e Rio de Janeiro. O seu trabalho primeiro foi o de realizar uma espécie síntese etnográfica: modos de agir dos meninos de rua.

A  dramaturgia final do espetáculo foi criada a partir da combinação destes materiais documentais (as pesquisas de campo e o estudo da Chacina da Candelária) com trechos retirados de “Macário”, conto do escritor Juan Rulfo.

 

Vale do Paraíba
Não é a primeira vez que Eduardo Okamoto se apresenta no vale do Paraíba. O ator mantém relações constantes com seus cidadãos e com a sua comunidade de artistas.

O solo “Eldorado” já foi apresentado no SESC São José dos Campos, no SESI da mesma cidade (durante o Festival Nacional de Teatro do Vale do Paraíba -Festivale) e na abertura do Festival de Teatro de Taubaté. “Agora e na Hora de Nossa Hora” já se apresentou no SESC São José dos Campos e no Festivale. “Recusa”, espetáculo da Cia Teatro Balagan em que Okamoto é ator-convidado, também compôs a programação do Festivale.  O solo “OE” apresentou-se recentemente no SESC São José dos Campos.

Em muitas destas oportunidades Okamoto ministrou oficinas e realizou bate-papos públicos.

Em agosto, o ator deverá retornar á São José dos Campos apresentando o solo “Eldorado” e “Noites Árabes”, espetáculo sob sua direção,  no CAC Walmor Chagas.

 

Serviço
“Agora e na Hora de Nossa Hora” no SESC Taubaté
Dia: 22 de junho de 2016
Hora: 20h30
Local: SESC São Taubaté
Endereço: Avenida Engenheiro Milton de Alvarenga Peixoto, 1264, Esplanada Santa Terezinha
Ingressos gratuitos
Mais informações aqui.

 

Ficha técnica do espetáculo
Criação e atuação: Eduardo Okamoto
Direção: Verônica Fabrini
Assistência de direção: Alice Possani
Pesquisa e execução musical: Paula Ferrão
Música: “Bachianas Brasileiras no 5”, Heitor Villa Lobos
Treinamento de ator: LUME Teatro
Iluminação: Marcelo Lazzaratto
Fotografia: João Roberto Simioni e Jordana Barale
Orientação: Suzi Frankl Sperber e Renato Ferracini
Produção: Daniele Sampaio
Duração: 60 min

Polícia Mata Menino de Dez anos e Morremos Todos!

Há alguns meses, gerou comoção a imagem de um menino refugiado, Aylan Kurdi, morto quando sua família se arriscava para chegar à Europa pelo mar. Hoje, porém, a morte do menino de 10 anos, assassinado pela PM paulista passa quase despercebida. Fico espantado com o pouco espanto: a imagem do menino brasileiro parece-me igualmente icônica.

No Brasil, crianças em situação de risco social – e, no caso, pode-se dizer em situação de rua – tendem a uma certa invisibilidade. Estão fora dos limites do território daqueles que “valem a pena”. Assim, não se poderia esperar outra coisa senão a negação desta morte como acontecimento revelador de nossa conduta como sociedade.

É verdade houve manifestações contrárias à PM, como se fosse ela, e somente ela, a responsável pela barbárie. Faço coro no manifesto contra a truculência da PM de São Paulo que, capitaneada pelo governador Geraldo Alckmin, dá espetáculos de horror: criminalizando movimentos sociais e estudantis, matando gente pobre na periferia, apresentando-se como o braço armado do Estado que garante esta linha divisória entre os que “valem” e o que “não valem a pena”.

No entanto, no caso de crianças e adolescentes em situação de rua, pode-se dizer que isso não é tudo. A polícia, aceita a tarefa social de apertar o gatilho, mas é preciso reconhecer que há uma sociedade conivente e que de certa maneira pressiona aquele que dispara o tiro. Não há política pública para lidar com esses meninos e meninas. No contato com eles, vamos nos revelando como nação: o país do futuro nega aqueles que são justamente o futuro. A única política pública, aqui, é a polícia. Assim, o Brasil vai construindo a sua própria Faixa de Gaza, onde a solução possível parece ser a bala ou a bomba.

Não reconhecer a nossa parte neste quinhão de violência, atribuindo toda a responsabilidade à decisão do policial que dispara o tiro, é o mesmo que tentar salvar o menino refugiado depois que o barco já virou. Seria imensamente mais fácil e efetivo conhecê-lo antes de sua família decidir pela travessia arriscada do mar.

Se o país se levasse a sério, todos estaríamos parados, hoje. Assim, veríamos a nós mesmos refletidos neste espelho que é a imagem de um menino de dez anos morto num automóvel. Se desejamos algum futuro, nada é mais urgente que garantir o direito à infância. Nada.