animação

“OE” em curta temporada no SESC Consolação

 

“OE” é um solo do ator Eduardo Okamoto, com encenação de Marcio Aurelio e dramaturgia inédita de Cássio Pires. O trabalho estreia hoje no SESC Consolação, onde cumpre temporada até o dia 03 de junho, segundas, terças e quartas às 20h.

 

OEEspetáculo inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo OeCom Eduardo OkamotoEncenação de Marcio AurelioDramaturgia inédita de Cássio Pires

 

O espetáculo é livremente inspirado na obra do escritor japonês Kenzaburo Oe – laureado com o Prêmio Nobel de Literatura, em 1994 -, especialmente no romance “Jovens de um novo tempo, despertai!”. No livro,  o autor procura definições sobre a sociedade e a vida (morte, sonho etc.) para o seu filho mais velho, deficiente mental, Hikari Oe. Na obra, o autor comenta poemas de William Blake, neles encontrando premonições de fatos da sua própria vida e de interações com o filho.

 

O primogênito de Oe, nomeado na obra do pai como Lyio, viveu até os seis anos de idade sem desenvolver a capacidade da fala. “Não parece humano”, declara o personagem Bird, de “Uma Questão Pessoal”, sobre o bebê que, no nascimento, aparentava ter duas cabeças, com parte do cérebro expandindo-se por uma fenda no crânio. Demonstrando grande sensibilidade auditiva e aprendendo a falar ao reconhecer o som dos pássaros, hoje, Hikari realiza atividades ocupacionais simples e é compositor e pianista respeitado. A enfermidade do filho é recorrente na obra de Kenzaburo Oe, que inclui contos, escritos políticos, romances e um importante ensaio sobre Hiroshima.

 

Para o processo criativo do espetáculo “OE”, o dramaturgo Cássio Pires tomou este estudo empreendido pela equipe do espetáculo e criou uma dramaturgia inédita. Assim, a cena não se limita à fábula de autossuperação. Por isso, não se dramatiza a obra do autor nipônico. Vê-se nela impulso para a abertura de imaginários. A partir da prosa de Oe, o dramaturgo criou um poema para a cena que sintetiza 28 imagens. Nas bordas entre sonho e memória, vivência e imaginação, palavras e não-ditos, haja aprendizado.