animação

“Agora e na Hora de Nossa Hora” no Festivale

Eduardo Okamoto apresenta monólogo sobre meninos de rua como espetáculo convidado no Festivale 2012, em São José dos Campos. Apresentação será no dia 10 de setembro, às 20h, no CET – Centro de Estudos Teatrais.  

 

O Festival Nacional de Teatro do Vale do Paraíba – Festivale acontece de 06 a 16 de setembro. Sendo um dos eventos culturais mais importantes do Vale do Paraíba, o festival reúne mais de 20 espetáculos vindos de diferentes partes do Brasil. Além de apresentações, o evento realiza atividades formativas, como oficinas e debates.

 

“Agora e na Hora de Nossa Hora” é um solo de Eduardo Okamoto com dramaturgia do próprio ator e direção de Verônica Fabrini. Para a sua criação, Okamoto interagiu com meninos de rua em Campinas (onde ministrou oficinas de circo para esta população), São Paulo e Rio de Janeiro. Além disso, estudou o histórico e trágico acontecimento conhecido como Chacina da Candelária – quando, em 1993, oito meninos de rua foram assassinados por policias no Rio de Janeiro. Por fim, ainda se inspirou na obra “Macário” do Mexicano Juan Rulfo. Para saber mais sobre o espetáculo e ver vídeos e fotos, clique aqui.   

 

Serviço: 
“Agora e na Hora de Nossa Hora” no Festivale
Quando: 10/09/2012, às 20h 
Onde: CET – Centro de Estudos Teatrais
Av. Olivo Gomes, 100 – Parque da Cidade – Santana
Informações: (12) 3924-7358.   

 

 

Travessias Poéticas em São Paulo e Campinas

 

“Chuva Pasmada”, parceria de Eduardo Okamoto e Grupo Matula Teatro, compõe mostra que reúne espetáculos de Bahia, São Paulo, Pernambuco.  

 

Chuva Pasmadacom Eduardo Okamoto e Alice PossaniTexto original: Mia CoutoDramaturgia: Cássio PiresDireção e Iluminação: Marcelo LazzarattoFigurinos e Cenografia: Warner ReisTrilha Sonora: Michael GalassoArte Gráfica: Alexandre CaetanoFotografia: Fernando StankunsProdução: Daniele Sampaio e Grupo Matula Teatro

 

Desde a década de 1990, o chamado teatro de grupo impulsionou sobremaneira o teatro brasileiro. As primeiras décadas dos anos 2000, assinalam um novo impulso para  esta cena fundada em parcerias: a reunião de grupos de artistas com trabalhos afins em projetos conjuntos – coletivos de coletivos! Assim é Travessias Poéticas, mostra de espetáculos teatrais de distintos criadores, residentes em três diferentes estados brasileiros: “Chuva Pasmada”, de Eduardo Okamoto e Grupo Matula Teatro, de Campinas (São Paulo); “Gaiola de Moscas”, do Grupo Peleja, de Recife (Pernambuco); e “Mar Me Quer”, d’A Outra Companhia de Teatro, de Salvador (Bahia).

 

Em comum, estas obras apresentam – além de grande investimento em pesquisas poéticas, em que pese a noção do processo criativo como aprendizado técnico e ético da artesania cênica – a inspiração na literatura do moçambicano Mia Couto. Assim, os espetáculos que constituem a mostra tem na literatura (em conto, novela ou romance) o seu impulso de criação – ou, para acompanhar Mia Couto, o teatro tem “caroço” nas palavras de um Moçambique reinventado pelos livros.         

 

A mostra Travessias Poéticas, passará por seis cidades brasileiras: São Paulo e Campinas (em São Paulo), Salvador e Alagoinhas (na Bahia), Recife e Arco Verde (em Pernambuco). A estreia será no SESC Santo Amaro, em São Paulo, entre os dias 11 e 15 de setembro. Na semana seguinte, esta “trupe de trupes de artistas” desembarca em Campinas para, na sede do Lume Teatro, realizar apresentações de suas obras entre os dias 17 e 22.    

 

Além dos espetáculos, em cada uma das cidades haverá atividades formativas compondo a programação: oficinas de iniciação teatral (com duração de oito horas) voltadas para estudantes de escolas públicas; palestras acerca das relações entre a literatura e a criação cênica; intercâmbios em que os artistas participantes trocam procedimentos e experiências de trabalho.

 

Para saber a programação completa em cada cidade, acesse o site do projeto: <http://travessiaspoeticas.wordpress.com/>.

 

Serviço:
Travessias Poéticas em São Paulo
De 11 a 15 de setembro de 2012
SESC Santo Amaro
Endereço: Rua Amador Bueno, 505 – Santo Amaro
Telefone: 11 5541 4000
Entrada: R$ 3,00 a R$ 12,00 

 

Travessias Poéticas em Campinas 
De 17 a 22 de setembro de 2012
Lume Teatro
Rua Carlos Diniz Leitão, 150 Vila Santa Isabel – Barão Geraldo
Telefone: 19 3289 9869
R$ 10,00 e R$ 5,00 

 

 

Eduardo Okamoto no Filte, em Salvador

 

Eduardo Okamoto apresenta “Agora e na Hora de Nossa Hora” e “Eldorado” no Festival Latino-Americano de Teatro da Bahia.

 

img_8373Eldorado”, solo de Eduardo Okamoto que estará no Filte 2012

 

O Festival Latino- Americano de Teatro da Bahia – Filte terá, em 2012, a sua quinta edição e objetiva, como sugere seu nome, intercambiar experiências entre artistas oriundos da América Latina e o público baiano. E, considerando a gênese de formação desta porção do globo terrestre, o festival ainda programa trabalhos de Portugal e Espanha, tornando, enfim, o evento ibero-americano.  

 

Em 2012, o evento acontece entre os dia 01 e 09 de setembro de 2012, estendendo-se por 13 espaços de Salvador e Lauro de Freitas. Em sua programação,  totalizam-se 60 apresentações. 

 

Nesta edição, além de espetáculo, eventos paralelos acompanharão o festival: o Colóquio Internacional de Recepção Teatral com convidados de Cuba, Estados Unidos, México, Argentina, Rússia, Alemanha, Brasil;  o Nortea 2012 (Núcleo de Laboratórios teatrais do Nordeste); um Mutirão de Critica Teatral e a 1ª Mostra Internacional de Teatro Baiano.

 

Eduardo Okamoto participa do Filte com dois espetáculos solos. No dia 04 de setembro, às 21h, no Teatro Martim Gonçalves, Okamoto apresenta “Agora e na Hora de Nossa Hora”. O solo tem direção de Verônica Fabrini e trata da vida de meninos de rua, especialmente da Chacina da Candelária. Para saber mais sobre o espetáculo, clique aqui.  

 

 

eduardo-okamoto-36Eduardo Okamoto em “Agora e na Hora de Nossa Hora” 

 

No dia 05 de setembro, será apresentado “Eldorado”, também no Teatro Martim Gonçalves, às 18h. O trabalho solo tem dramaturgia de Santiago Serrano e direção de Marcelo Lazzaratto. Na fábula, um homem cego, acompanhado por uma “Menina” busca o seu bom luga: “Eldorado”. Para saber mais, clique aqui.    

 

É nóis no Filte!  

 

Serviço: 
“Agora e na Hora de Nossa Hora” no Filte
Local: Teatro Martim Gonçalves
Endereço: Rua Marechal Floriano, s/n, Canela.
Dia: 04/09/2012
Horário: 21h 
Informações: <http://www.ocoteatro.com.br/2012/programacao_detalhes.aspx?id=17>. 

 

“Eldorado” no Filte
Local: Teatro Martim Gonçalves
Endereço: Rua Marechal Floriano, s/n, Canela.
Dia: 05/09/2012
Horário: 18h 
Informações: <http://www.ocoteatro.com.br/2012/programacao_detalhes.aspx?id=26>. 

Eduardo Okamoto em Jornada Teatral, em Campinas

 

No dia 06 de agosto de 2012, às 19h, no Departamento de Artes Cênicas da UNICAMP,  o ator e professor Eduardo Okamoto debate “A Produção Artística na Acadêmia”. Participa da mesa também a diretora e professora Verônica Fabrini.

 

O debate  integra  a “I Jornada Teatral: entre a produção acadêmica e a criação poética”, organizado pelo grupo Os Geraldos. O evento realiza-se entre 06 e 19 de agosto e compreende mesas de debate, exibição de filmes e demonstrações técnicas e apresentação dos espetáculos que formam o repertório do grupo: “Números” (direção de Roberto Mallet) e “Hay Amor” (direção de Verônica Fabrini). Para saber mais, clique aqui.   

 

Eduardo Okamoto teve formação teatral integralmente realizada em ambiente acadêmico. Deu seus primeiros passos no palco como integrante do Grupo Atrás do Grito de Teatro – projeto de extensão universitária da UNESP que reunia comunidade acadêmica e comunidade externa a ela. Depois, bacharelou-se em Artes Cênicas na UNICAMP, onde também desenvolveu trabalhos de Mestrado e Doutorado em Artes. Além de textos refletindo teoricamente a criação poética do ator, seus trabalhos acadêmicos frutificaram em espetáculos teatrais: “Agora e na Hora de Nossa Hora” (2004, como resultado de Mestrado em Artes, foi dirigido por Verônica Fabrini) e “Eldorado” (2008, como resultado de Doutorado em Artes, foi dirigido por Marcelo Lazzaratto). Mais: como parte destas produções, ainda desenvolveu projetos interação como comunidades não-acadêmicas: meninos de rua, rabequeiros etc. Assim, alicerçando as suas criações entre a produção teórica e poética, foi convidado pelo grupo Os Geraldos a discorrer sobre as interações possíveis entre criação poética e teórica.

 

Verônica Fabrini, igualmente, há muitos anos desenvolve seus trabalhos em interações entre pesquisas na Universidade e fora dela. É Bacharel em Artes Cênicas pela UNICAMP, onde também desenvolveu seu trabalho de Mestrado em Artes e atua como docente. Depois, doutorou-se em Ates Cênicas na USP. Como parte de suas pesquisas fundou a Boa Companhia, coletivo que há mais de 20 anos desenvolve estudos prático-teóricos sobre a criação teatral.               

 

Durante o debate ambos pretendem apresentar um pouco de seus procedimentos criativos em espetáculo que, criados na academia, alçaram voos fora dela. Exemplar, neste sentido,  é “Agora e na Hora de Nossa Hora” que, em mais de 150 sessões, já participou dos principais eventos de Artes Cênicas do Brasil (FIT São José do Rio Preto, Filo de Londrina, Cena Contemporânea de Brasília etc.) e mesmo no exterior: Espanha, Suíça, Marrocos, Kosovo, Escócia e Polônia.     

 

Serviço: 
Mesa de debate: “A Produção Artística na Academia”
Com Eduardo Okamoto e Verônica Fabrini
Dia 06 de agosto de 2012, às 19h
Depto. de Artes Cênicas da UNICAMP
Endereço: Rua Elis Regina, 50, na Cidade Universitária “Zeferino Vaz”
Informações: (19) 9265.0049
 

  

 

Theatro José de Alencar

 

Veja o vídeo sobre centenário Theatro José de Alencar, onde, no dia 04 de agosto de 2012, às 19h30, Eduardo Okamoto apresenta o solo “Eldorado”. O espetáculo, com dramaturgia de Santiago Serrano e direção de Marcelo Lazzaratto, abre o VIII Festival de Teatro de Fortaleza.  

 

 

 Para saber mais sobre a apresentação, clique aqui